|
  • Bitcoin 143.750
  • Dólar 4,8081
  • Euro 5,1381
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 28/03/2022, 12:17

China amplia compra de carne bovina do Brasil

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 28 de março de 2022

MARCELO TOLEDO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - Impulsionadas pelo consumo asiático, principalmente da China,, as exportações brasileiras de carne bovina bateram recorde neste início de ano. Os resultados projetam um 2022 favorável aos pecuaristas e frigoríficos.

Somente em fevereiro, foram exportadas 182.341 toneladas de carne bovina (in natura e processadas), conforme a Abrafrigo (Associação Brasileira de Frigoríficos). O resultado é recorde para o mês, e a receita alcançou US$ 975,8 milhões.

A China não comprava do Brasil desde 4 de setembro, num embargo de mais de 90 dias motivado por dois casos atípicos da doença EEB (encefalopatia espongiforme bovina), conhecida como "vaca louca".

O retorno ao mercado ocorreu meses após a confirmação científica da OIE (sigla em inglês para Organização Internacional de Saúde Animal) de que os casos não traziam danos ao rebanho, por serem de geração espontânea e não contaminação.

Os dados da associação de frigoríficos mostram que, só em fevereiro, houve um aumento de 47% no volume e de 77% na receita em comparação com o mesmo mês do ano passado. Ocorreu ainda um ciclo de expansão no mês anterior, inclusive no preço médio das carnes.

Foram exportadas 342,3 mil toneladas no primeiro bimestre deste ano, com faturamento que atingiu US$ 1,78 bilhão, segundo a Abrafrigo, com dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior).

O preço médio da carne subiu 20% em dólares em relação ao início do ano passado.

A China comprou 140,9 mil toneladas nos dois primeiros meses do ano, ou 41% do total. Embora tenha visto sua participação recuar --era 47% em 2021--, o total supera os embarques no mesmo período do ano passado, quando o país importou 119 mil toneladas.

Os EUA são o segundo maior mercado neste ano, com 43,5 mil toneladas, ou 12,7% do total, seguido pelo Egito, com 31.7 mil toneladas (9,3%), e Hong Kong.

A redução percentual da China mesmo comprando mais significa que os exportadores brasileiros conseguiram ampliar as vendas para outros destinos, entre eles a Rússia. No total, houve alta nos embarques para 88 países, enquanto outros 36 compraram menos.

"O gado, teoricamente, foi menos impactado nessa confusão, porque basicamente toda a nossa produção é no pasto. O pessoal de aves e suínos acabou tendo um novo impacto negativo, mais na perspectiva do que nos preços, por conta dos grãos. A Rússia e a Ucrânia são relevantes em milho e trigo, e o cenário ficou bem mais complicado", disse César Castro, especialista de agronegócio do Itaú BBA.

Com a incerteza rondando trigo e milho, o risco para carnes acaba sendo indireto, diz Castro. Haverá encarecimento em algum momento, o que vai pressionar ainda mais o consumidor. "Boi, tudo que a gente tiver, acaba exportando para a China."

Outros mercados que figuram no alto do ranking são Hong Kong, Israel, Chile, Filipinas, Emirados Árabes Unidos, Itália e Rússia.

"Mesmo com a queda na perspectiva de crescimento econômico global [por conta da guerra], o ano para as exportações de carne vai ser bom", disse Marcos Fava Neves, docente da USP (Universidade de São Paulo) especializado em agronegócios.

De acordo com ele, os impactos da guerra poderão fazer a economia mundial crescer de 0,8% a 1% a menos, o que significaria uma alta de cerca de 4% no ano.

"Isso representa oportunidades boas para as carnes, principalmente a bovina e predominantemente na Ásia, que vem batendo recordes de importações. É torcer para que não tenha nenhum tipo de problema, embargo sanitário. Não tendo, deve ser muito bom", disse Neves.

Castro afirmou que o forte volume exportado, porém, tem suas consequências para os frigoríficos que não vendem para o exterior, já que eles não conseguem precificar a carne no mercado interno.