|
  • Bitcoin 103.064
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5573
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 27/02/2022, 19:37

Brasil pede cautela na ONU para evitar expansão da guerra na Ucrânia

PUBLICAÇÃO
domingo, 27 de fevereiro de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O embaixador Ronaldo Costa Filho, representante permanente do Brasil junto às Nações Unidas, disse neste domingo (27) que cabe aos países no Conselho de Segurança e na Assembleia-Geral da ONU reverterem a escalada na guerra da Ucrânia.

Em discurso na reunião do Conselho que aprovou uma reunião extraordinária da Assembleia-Geral para debater novas sanções contra a Rússia, o representante brasileiro pediu cautela nas próximas decisões para evitar o agravamento do conflito.

O Brasil apoiou a convocação da Assembleia-Geral apesar, nas palavras de Costa Filho, "das dúvidas quanto ao seu calendário e à sua contribuição para alcançar a paz".

"Essas dúvidas derivam, em última análise, de nosso compromisso inflexível de respeito e interesse em defender a Carta e o próprio papel do Conselho de Segurança", disse.

Segundo ele, não se pode ignorar que algumas das medidas debatidas "aumentam os riscos de um confronto mais amplo e direto entre a OTAN e a Rússia".

"O fornecimento de armas, o recurso a ciberataques e a aplicação de sanções seletivas, que podem afetar setores como fertilizantes e trigo, com forte risco de fome, acarretam o risco de agravar e espalhar o conflito e não de resolvê-lo", disse o Costa Filho em referência às novas possíveis sanções a serem aprovadas.

O embaixador brasileiro disse ainda que o Conselho e a Assembleia-Geral devem trabalhar juntos e fez um apelo para que russos e ucranianos caminhem para um cessar-fogo imediato.

Costa Filho também pediu aos países que facilitem a retirada de todas as pessoas que estejam na Ucrânia e que queiram sair do país.

"Precisamos nos engajar em negociações sérias, de boa fé, que possam permitir a restauração da integridade territorial da Ucrânia, garantias de segurança para a Ucrânia e a Rússia e estabilidade estratégica na Europa", afirmou.