|
  • Bitcoin 104.886
  • Dólar 5,1972
  • Euro 5,4262
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 11/03/2022, 14:57

Biden proíbe compra de vodca e caviar da Rússia e quer rever status comercial

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 11 de março de 2022

RAFAEL BALAGO
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O governo dos EUA anunciou nesta sexta (11) mais uma rodada de punições econômicas à Rússia pela invasão da Ucrânia, incluindo a proibição da importação de produtos como vodca e caviar.

O presidente Joe Biden também defendeu que a Rússia perca o status de parceiro comercial dos EUA. Com isso, as relações comerciais deixariam de ser consideradas como "normais e permanentes". Na prática, a medida abre espaço para a aplicação de restrições e tarifas.

Se o isolamento for levado ao extremo, a Rússia passaria a ser tratada pelo comércio exterior americano da forma que Cuba e Coreia do Norte. A medida, no entanto, precisa de aval do Congresso.

Países europeus que integram o G7 também devem tomar medidas similares para restringir o comércio com a Rússia. "O mundo livre está vindo junto para confrontar Putin", disse Biden, ao anunciar as novas medidas.

Nesta sexta, Biden assinou uma ordem executiva que veta a importação, pelos EUA, de peixes, frutos do mar e produtos correlatos, de bebidas alcoólicas e diamantes não industriais. Isso inclui produtos que são símbolos da Rússia, como vodca e caviar.

O comércio dos itens banidos agora movimentou cerca de US$ 550 milhões ano passado. O valor é simbólico, pois o comércio entre EUA e Rússia movimenta em torno de US$ 700 bilhões por ano.

A ordem determina também que os Estados Unidos deixem de exportar para a Rússia mercadorias de luxo, e também veta novos investimentos americanos na economia da Rússia. Os detalhes das medidas no entanto, ainda serão detalhados.

Nas últimas semanas, o governo americano anunciou uma série de medidas duras contra a economia da Rússia, que fizeram com que o valor do rublo desabasse e que várias multinacionais deixassem de atuar no país.