|
  • Bitcoin 120.176
  • Dólar 5,1649
  • Euro 5,2600
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 25/02/2022, 16:38

Ato em SP reúne brasileiros e imigrantes em apoio à Ucrânia

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 25 de fevereiro de 2022

MATHEUS MOREIRA E FLÁVIA MANTOVANI
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma manifestação na avenida Paulista nesta sexta (25) reuniu cerca de 50 pessoas em uma demonstração de apoio ao povo ucraniano após a invasão do país do leste europeu pela Rússia. Brasileiros e imigrantes, inclusive um refugiado, estavam presentes.

Segurando uma bandeira da Geórgia, o artista plástico David Didishvili conta que nasceu na Abkhazia, região de maioria étnica russa que também foi ocupada e reconhecida como independente por Moscou na década de 1990.

"As mesmas forças que me expulsaram junto com a minha família quando eu tinha 11 anos estão atacando a Ucrânia agora. Eu vim apoiar a manifestação porque a Ucrânia e a Geórgia são irmãs, vivemos esse mesmo problema. A Rússia segue regras do século 20, quer controlar outros países."

A Rússia invadiu a Ucrânia na madrugada desta quinta (24).

Durante ato em São Paulo, manifestantes entoaram palavras de ordem e pedido de "Fora, Putin".

O artista plástico russo Fyodor Pavlov Andreevich diz ter vergonha de seu país e das ações de Putin. No vão do Masp (Museu de Arte de São Paulo), Andreevich abraça a ucraniana Oxana Bergamo, 47. "Você não pode entrar no país vizinho e fazer essa bagunça. Não se pode tratar assim um país independente".

Ele afirma que tem amigos que se manifestaram contra a guerra em Moscou e foram presos. "Todos temos que pensar na Ucrânia. Estou falando com vários amigos e com pessoas da minha família estendida que moram lá. Eles estão há 40 horas no metrô de Kiev, sem água, sem banheiro, sem lugar para dormir, estão com bebês. É muito sofrimento."

Já a polonesa Kasia Patyra, 38, não consegue contato com seus amigos na Ucrânia desde o início da invasão. "Não tenho notícias deles. Eu sou do leste da Polônia, de uma cidade a 80 km de distância da divisa, então conhecemos pessoas que vivem na Ucrânia. Eu estou chocada, triste. Quando a Crimeia foi invadida já foi um choque, mas dessa vez foi mais agressivo", diz.

Para o brasileiro Celso Roberto Pereira Filho, que vive na Ucrânia durante metade do ano, o que aconteceu foi uma surpresa. "Eu não acreditava que haveria nada, todos me disseram para voltar para o Brasil e eu acabei voltando. Não achava que invadiriam até dois dias atrás". Ele diz ainda que conseguiu manter contato com os amigos e que está preocupado, porque nenhum homem com mais de 18 anos pode deixar o país.

Nesta quinta (24), o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky proibiu todos os homens com idade entre 18 e 60 anos de deixar o país. Eles devem se apresentar para lutar.