|
  • Bitcoin 151.188
  • Dólar 5,0781
  • Euro 5,2920
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 24/02/2022, 03:12

Ataque da Rússia à Ucrânia é premeditado e Putin será responsável por mortes, diz Biden (2)

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022


AUTOR autor do artigo

menu flutuante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente americano, Joe Biden, condenou a invasão anunciada e colocada em marcha por Vladimir Putin nas primeiras horas desta quinta-feira (24) da Ucrânia. Ele afirmou que o ataque é "premeditado e injustificado".

"A Rússia sozinha será a responsável por perdas catastróficas de vidas perdidas e sofrimento humano", afirmou Biden.

O presidente americano também disse que irá coordenar com aliados da Otan (aliança militar ocidental) para garantir uma resposta "unida e forte" às ações russas. Biden pretende fazer pronunciamento no início da tarde desta quinta.

O anúncio da operação militar de tropas russas na Ucrânia, foi feito ao mesmo tempo em que o Conselho de Segurança da ONU, do qual a Rússia faz parte, reunia-se para discutir a crise.

A embaixadora britânica na Ucrânia também chamou a ação russa de "ataque não provocado". "Não é porque você se preparou e pensou sobre essa possibilidade por meses que isso não é chocante quando realmente acontece", escreveu Melinda Simmons no Twitter. "Um ataque totalmente não provocado a um país pacífico, a Ucrânia, está se desenrolando. Estou horrorizada."

Jens Stoltenberg, diretor-geral da Otan, condenou a operação e disse que o "ataque imprudente coloca em risco inúmeras vidas de civis". Segundo ele, a aliança militar ocidental fará o que puder para proteger e defender seus aliados.

Pelo Twitter, o ministro das Relações Exteriores ucraniano, Dmitro Kuleb, disse que Putin "iniciou uma guerra de larga escala contra a Ucrânia", e que locais com civis começaram a ser bombardeados. "Essa é uma guerra de agressão. A Ucrânia vai se defender e vencer. O mundo precisa agir e parar Putin, é hora de agir, imediatamente", escreveu.

No Congresso americano, parlamentares democratas pedem que Biden imponha novas e agressivas sanções contra a Rússia. "Se Putin não pagar um preço devastador por essa agressão, então nossa própria segurança está em breve em risco", disse o senador Chris Murphy, do estado de Connecticut.

O premiê da Austrália, Scott Morrison, anunciou sanções à Rússia nas primeiras horas desta quinta. "Há um preço a ser pago por ataques, ameaças e intimidações não provocadas, injustificadas e ilegais impostas à Ucrânia pela Rússia", disse.

O secretário-geral da ONU, após pronunciamento na sede da organização, também escreveu pelo Twitter condenando a ação russa. "Presidente Putin, em nome da humanidade, traga seus soldados de volta à Rússia. Esse conflito precisa parar agora."

Justin Trudeau, premiê do Canadá, afirmou que as ações russas terão "severas consequências", e que seu país irá tomar "ações adicionais para parar a agressão russa injustificada".

Um dos atores diplomáticos que visitaram Putin para tentar evitar o conflito, o primeiro-ministro alemão, Olaf Scholz, também se manifestou. "Hoje é um dia terrível para a Ucrânia e um dia obscuro para a Europa", afirmou em comunicado.

Já o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, conversou com o presidente ucraniano Zelenski, condenou a invasão e culpou o presidente russo. "O presidente Putin escolheu um caminho de derramamento de sangue e destruição ao lançar esse ataque não provocado à Ucrânia", afirmou.