Após polêmica com PF, Salles se reúne com empresários e acena com liberação da madeira no PA


FABIANO MAISONNAVE
FABIANO MAISONNAVE

MANAUS, AM (FOLHAPRESS) - O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, se reuniu nesta quarta-feira (7) em Santarém (PA) com empresários alvos da maior apreensão de madeira da história no país. Ali, ele se comprometeu em apoiar a liberação da madeira após revisão dos documentos. A operação, realizada em dezembro, foi comandada pelo superintendente da Polícia Federal no Amazonas, Alexandre Saraiva

No encontro, realizado no hotel Açaí, Salles teria revisado os planos de manejo de onde a madeira apreendida havia sido retirada e se comprometido a liberar em até uma semana, desde que a documentação estivesse correta. Os madeireiros têm afirmado que a extração foi feita de forma legal, posição corroborada pela Secretaria do Meio Ambiente do Pará, órgão responsável pelas concessões.

É a segunda visita do ministro em menos de uma semana à região da apreensão, no rio Arapiuns. Na última quarta-feira (31), ele foi ao local da operação da PF. Ali, Salles verificou o ponto de origem de duas árvores apreendidas, em um gesto de apoio aos madeireiros.

A visita do ministro foi considerada uma intervenção pelo delegado Saraiva. Em entrevista à Folha publicada na segunda (5), ele acusou Salles de trabalhar contra o meio ambiente. "É o mesmo que um ministro do Trabalho se manifestar contrariamente a uma operação contra o trabalho escravo."

Batizada de Handroanthus GLO, a operação apreendeu mais de 204 mil metros cúbicos de madeira, volume suficiente para carregar 13.600 caminhões.

Assim como Salles, Saraiva é próximo do governo Bolsonaro. Ele já participou de uma live do presidente, no ano passado, e foi cotado para assumir a superintendência do Rio de Janeiro, um cargo considerado estratégico pelo Planalto.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo