|
  • Bitcoin 121.438
  • Dólar 5,1665
  • Euro 5,2533
Londrina

Últimas Notícias

m de leitura Atualizado em 24/02/2022, 19:06

Acordei com o barulho das bombas, diz brasileiro na Ucrânia

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

JULIA CHAIB
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O jogador de futebol brasileiro Rodrigo Albatroz, 29, está há seis meses na Ucrânia e relata ter despertado na madrugada desta quinta-feira (24) com o barulho de explosões registradas na cidade em que estava, Kharkiv, próxima à fronteira com a Rússia.

Albatroz joga no FC Volchansk e treinou normalmente na noite anterior ao bombardeio. Em seguida, foi comunicado pelo treinador que, diante do estado de emergência decretado pela Ucrânia na tarde desta quarta-feira (23), os campeonatos de futebol seriam suspensos.

A recomendação passada pelo time foi para que Albatroz e os outros cinco brasileiros da equipe deixassem Kharkiv o mais rápido possível. Localizada ao leste da Ucrânia, a cidade é a segunda maior do país e está a cerca de uma hora da Rússia.

"Nós pensamos: 'Ok, vamos sair o mais rápido possível, mas [com] certa tranquilidade'. É uma região que tem conflito há anos, ao leste, mas achávamos difícil de acontecer [um bombardeio] da noite para o dia, tão rapidamente, na nossa cidade, imagina na Ucrânia toda", diz.

"Conversamos [os jogadores] o que tínhamos que conversar, dormimos, e acordei, literalmente, com o barulho da bomba. Fomos para a janela e dava para ver o clarão das bombas. Foram uns dez minutos sem reação, para tentar entender. Saímos da janela e ficamos no corredor, por proteção."

Às 5h13, o brasileiro acordou com as explosões e, às 5h43, partiu para a casa da avó da namorada, com a sogra, todas ucranianas. Em cerca de quatro horas chegaram a Krasnokutsk, cidade mais distante da fronteira com a Rússia, onde ainda está à espera de uma saída segura da Ucrânia.

Albatroz relatou que pela manhã começaram se a formar filas em mercados, farmácias e engarrafamentos ao longo do caminho. Um trajeto que ele faria em duas horas até a casa da avó da namorada foi percorrido no dobro do tempo.

Em contato com a embaixada brasileira, ele ainda não sabe como sairá do país. Segundo Albatroz, o consulado afirmou que em até dois dias promoverá a primeira retirada de brasileiros via Kiev, capital ucraniana que também já foi alvo de ataques.

O problema é que o trajeto para chegar à cidade, que duraria mais de seis horas se não houvesse trânsito, pode ser mais perigoso do que ficar em Krasnokutsk, relata o jogador. Por isso, Albatroz diz que permanecerá no local até receber orientações concretas de como sair.

Na casa da avó da namorada há espaços subterrâneos onde a família poderia se proteger de bombardeios.

O brasileiro espera deixar a Ucrânia assim que puder e ir para a Letônia, onde morou desde 2013 antes de ir para o país onde está atualmente.