|
  • Bitcoin 102.544
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5624
Londrina

Saúde

m de leitura Atualizado em 23/01/2022, 14:41

O projeto verão funciona?

Início do ano é um período propenso a mudanças, sobretudo na busca por uma vida mais saudável e por emagrecimento, mas é necessário cautela

PUBLICAÇÃO
domingo, 23 de janeiro de 2022

Isabella Alonso Panho - Especial para a FOLHA
AUTOR autor do artigo

Foto: Isabella Alonso Panho
menu flutuante

O começo do ano, com seus ares de mudança, sempre motiva as pessoas a iniciar projetos novos, em todos os setores da vida. Um dos mais visados, sem dúvida, é o emagrecimento. O famoso “projeto verão”, buscado por tanta gente, envolve metas e novas posturas para perder gordura, queimar barriga, diminuir um ou dois manequins e usar aquela roupa encostada no armário. Contudo, muitas vezes, com a mesma intensidade que engajam, essas metas somem da vida das pessoas.

Antonio Nogueira e o educador físico Leonardo Garcia: hábito que faça sentido a longo prazo Antonio Nogueira e o educador físico Leonardo Garcia: hábito que faça sentido a longo prazo
Antonio Nogueira e o educador físico Leonardo Garcia: hábito que faça sentido a longo prazo |  Foto: Isabella Alonso Panho
 

Fabio Reis, educador físico e proprietário da academia Fitness, na zona sul de Londrina, vê a quantidade de alunos subir entre 30% e 40% nos meses de janeiro e fevereiro. “As pessoas falam em buscar o balde que chutaram, perder os quilos ganhados nas festas...”, pontua o educador, que trabalha há 19 anos na área.

A mesma movimentação é percebida no consultório da nutricionista comportamental Débora Rodrigues. Nos primeiros meses do ano, a procura por atendimento é muito maior. Contudo, segundo ela, nem sempre isso vem acompanhado de verdadeiras melhoras na vida das pessoas: “existem várias estratégias que as pessoas usam que acabam as deixando mais doentes do que saudáveis”.

DESAPARECEM COM O BRONZEADO

Não é à toa que muitos dos alunos que buscam as academias atrás do “projeto verão” desaparecem junto com o bronzeado. “Dura uns dois ou três meses” aponta Reis, medindo o movimento de seu estabelecimento nessa época. Ele até acredita que é possível colher bons frutos dessas tentativas, desde que os alunos continuem engajados por mais tempo: “você até vê algum resultado em 2-3 meses, mas é um processo bem lento, tem que dar continuidade”.

Fábio Reis, educador físico: "tem que ter continuidade" Fábio Reis, educador físico: "tem que ter continuidade"
Fábio Reis, educador físico: "tem que ter continuidade" |  Foto: Isabella Alonso Panho
 

POR OUTRO LADO...

“Às vezes as pessoas entram nesses projetos e acabam se frustrando, porque não conseguem atingir a meta que tinham”, alerta Leonardo Garcia, educador físico e personal trainer. Para ele, essa busca pelo corpo dentro do padrão por meio de ações pontuais pode até mesmo causar o efeito oposto: “Isso abala muito o psicológico da pessoa. Ela acaba ficando cansada e, quando dá o efeito rebote e ela volta para a vida antiga, às vezes acaba engordando até mais do que antes”, pondera.

Rodrigues também percebe questões semelhantes em seus pacientes: “A maioria das pessoas que faz dieta, principalmente com essas restrições drásticas, volta a engordar. Não é uma mudança de comportamento. Elas fazem uma restrição pontual, mas, se voltam ao hábito alimentar de antes, acabam recuperando todo o peso que perderam”.

LEIA TAMBÉM:

Dieta exagerada pode causar de pele seca a arritmia

Prefeitura lança edital de licitação para revitalizar aterro do Igapó

EXEMPLO POSITIVO

O professor de filosofia Antonio Nogueira, conhecido nas redes sociais como Professor Toninho, já esteve nos dois lados dessa situação e hoje possui uma rotina de exercícios e autocuidado voltada para a qualidade de vida. “A partir do momento que eu decidi ouvir a opinião dos especialistas (psicológico, educador físico e nutricionista), os três me orientaram na mesma direção: construir um hábito para me cuidar de forma prazerosa e contínua, de modo que faça sentido a longo prazo”, reflete.

Nogueira, que é aluno de Garcia, destaca o quanto o exercício físico constante está integrado ao bem-estar em todas as áreas da vida: “Eu levo esse mesmo discurso para os meus alunos do cursinho. A gente tem a impressão de que, quanto mais estudar, melhor irá na prova. De fato, tem que estudar muito, mas oriento a também se dedicar à atividade física. O corpo faz parte da sua aprovação, você vai levar ele no dia da prova e ele precisa estar bem-cuidado também”.

Débora Rodrigues, nutricionista: "Está tudo bem a pessoa querer emagrecer, mas a gente não vai fazer isso num passe de mágica" Débora Rodrigues, nutricionista: "Está tudo bem a pessoa querer emagrecer, mas a gente não vai fazer isso num passe de mágica"
Débora Rodrigues, nutricionista: "Está tudo bem a pessoa querer emagrecer, mas a gente não vai fazer isso num passe de mágica" |  Foto: Arquivo Pessoal
 

REDES SOCIAIS E PRESSÕES EXTERNAS

Para o professor de filosofia Antonio Nogueira,  o “projeto verão” cativa tantas pessoas sobretudo pela “necessidade de aprovação e de reconhecimento. As redes sociais estão aí para provar isso”. Contudo, como aponta a nutricionista Débora Rodrigues, apesar da forte influência, a internet não é um espelho fiel: “o que a gente vê nas redes sociais é só um recorte da realidade, tem muita coisa por trás daquilo”.

“Por que eu quero mudar? O que está me incomodando? Será que eu realmente preciso mudar ou são pressões externas que têm levado a esse pensamento de que meu corpo não é legal, não é saudável?”, questiona o educador físico Leonardo Garcia. Uma forma de trabalhar esse tipo de expetativa de forma mais saudável, segundo ele, é “achar uma atividade física de que você goste. Tem muita gente que vai na academia e não gosta. Há vários outros tipos de atividades física, como grupos de funcional, crossfit, natação, corrida...”, exemplifica.

Rodrigues ressalta a necessidade do comprometimento contínuo: “Está tudo bem a pessoa querer emagrecer, ter um corpo bacana, mas a gente não vai fazer isso num passe de mágica. Isso precisa de constância, de rotina, de repetição, de rotina, de um planejamento adequado”. Após alguns anos de mudança de hábito,  o  Professor Toninho é contundente na sua própria avaliação “O resultado é menos radical, mas, comparando com o início do meu processo, eu estou infinitamente melhor”.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1