|
  • Bitcoin 103.220
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

Saúde

m de leitura Atualizado em 29/05/2022, 07:45

Estudo na UEL busca pacientes com perda de olfato pós-Covid

Pesquisa quer avaliar nova possibilidade de tratamento para o público com perda de olfato/paladar até 60 dias após os sintomas da doença

PUBLICAÇÃO
domingo, 29 de maio de 2022

Micaela Orikasa - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

Foto: iStock
menu flutuante

Um trabalho no curso de Medicina da UEL (Universidade Estadual de Londrina) está em busca de pacientes, entre 18 e 60 anos, que apresentam perda total ou parcial de olfato/paladar, até 60 dias após os sintomas de Covid-19. Os pacientes devem residir em Londrina, Cambé ou Ibiporã, na região metropolitana.

O objetivo é avaliar a perda de olfato nestes pacientes e uma nova possibilidade de tratamento, com uso de corticoide Budesonida. “É um medicamento já conhecido e utilizado por parte da população para outros tipos de tratamento como para rinite”, comenta Gabriel Rodrigues Suassuna, estudante do 2º ano de Medicina, que está conduzindo a pesquisa sob a orientação do professor adjunto de Otorrinolaringologia da UEL, Marco Aurélio Fornazieri. 

O estudo “Irrigação Nasal com Budesonida no Tratamento de Anosmia Súbito por Covid-19" é multicêntrico, isto é, está em andamento em vários centros brasileiros, tendo à frente a USP (Universidade de São Paulo). Ao todo, a avaliação irá envolver 120 pacientes, sendo 30 de Londrina e região.  

“Estamos na fase de coleta de dados e, em seguida, os participantes passarão por uma consulta para teste de olfato e orientações. Cada paciente irá utilizar o medicamento em casa por um período de 30 dias, passará por uma nova consulta e utilizará o produto por mais 30 dias. Serão 60 dias de uso do medicamento”, detalha Suassuna. 

GRAU DE PERDA 

O médico otorrinolaringologista Marco Aurélio Fornazieri explica que o grau de perda do olfato tem relação com o grau de comprometimento da mucosa olfatória durante a infecção pela Covid-19.  “Em algumas pessoas o epitélio ficou mais danificado porque, como ocorre com o pulmão, a Covid também pode gerar uma ação inflamatória severa no nariz que leva à morte dos nervos do olfato. Existem vários tipos de neurônios olfativos, há aqueles que têm maior perda e outro menos com a doença. Cada neurônio é como se fosse uma tecla de piano, por exemplo, e os diversos cheiros ativam várias dessas ‘teclas’. Quando uma está danificada, o olfato fica distorcido”, diz.  

Basicamente, são três graus de olfato: normal, perda parcial (hiposmia) ou perda total (anosmia). Com base nos atendimentos em seu consultório, Fornazieri cita que cerca de 40% da procura de pacientes está relacionada à perda de olfato. A maioria são pacientes que tiveram a infecção em 2020 e 2021 e que, em alguns casos, até recuperaram o olfato, mas queixam-se de distorções, por exemplo, no cheiro do café. Já a onda mais recente, da variante ômicron, tem afetado menos o olfato, segundo o especialista.

“A Covid, para a ciência da olfação, foi importante porque muitos estudos surgiram em relação ao tratamento da perda de olfato. Antes, os casos eram menos comuns, relacionados a um quadro de gripe, excesso de trabalho e poucas horas de sono, trauma causado por acidente e doenças como o Alzheimer e Parkinson”, cita.  

RECUPERAÇÃO 

Ainda de acordo com o otorrinolaringologista, a maior parte das pessoas tende a recuperar o olfato totalmente, mas aproximadamente 20% dos pacientes mantêm algum grau de perda, mesmo após um ano de ter contraído a Covid. “Temos a regra dos 15 dias, ou seja, passou 15 dias dos sintomas da Covid e a perda olfativa permanece, é importante buscar um especialista”, diz.  

Em geral, pessoas com mais idade, assim como aquelas que tiveram maior grau e tempo de perda olfatória, o risco de não recuperar totalmente o olfato é aumentado. “As pessoas demoram mais tempo para buscar ajuda porque existe a cultura popular de que em determinado, o olfato vai voltar”, comenta.  

Fornazieri explica que alguns medicamentos podem ajudar, como os antioxidantes, mas que também há outros tratamentos em estudo, como esse com corticóide e com laser, que acontecem simultaneamente na UEL. A orientação do médico é que as pessoas não façam treinamento na aromaterapia com elementos que possam arder o nariz, como algo mentolado, pois pode prejudicar a recuperação. "Há um treinamento caseiro que as pessoas podem fazer com produtos do dia a dia. É preciso praticar durante um bom tempo, pois a recuperação pode ser longa”, finaliza.  

 Veja como fazer o treinamento caseiro: 

Imagem ilustrativa da imagem Estudo na UEL busca pacientes com perda de olfato pós-Covid Imagem ilustrativa da imagem Estudo na UEL busca pacientes com perda de olfato pós-Covid
|  Foto: Folha Arte
 

SERVIÇO: Mais informações sobre o estudo na UEL podem ser feitas pelo WhatsApp (43) 8863-8768.

****

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1