ROTINA DE BELEZA -

Esfoliação caseira é segura?

Processo ajuda a manter a saúde e uniformidade da pele, mas são necessárias precauções, tanto nas misturinhas quanto na aplicação

Jéssica Arruda - UOL/Folhapress
Jéssica Arruda - UOL/Folhapress

São Paulo - Mais que uma etapa fundamental na rotina de beleza, a esfoliação também ajuda a manter a saúde e uniformidade da pele. O processo se tornou essencial na renovação da cútis, eliminando não só as células mortas como também impurezas, sebo e até resíduos da própria pele que se acumulam na superfície cutânea. A esfoliação prepara a pele para receber cremes hidratantes e tratamentos, aumentando a permeabilidade de ativos para estes cuidados específicos.

Esfoliação caseira é segura?
iStock
 



E as vantagens vão além de uma pele mais macia, iluminada e lisinha. Estimula a circulação sanguínea e ajuda no controle da oleosidade ao desobstruir os poros. "Entre outros benefícios, também podemos citar o combate à acne, evita pelos encravados e auxilia no bronzeamento mais uniforme", explica a médica dermatologista Natasha Crepaldi, de Cuiabá (MT).




CUIDADOS

Mesmo com tantas opções de produtos disponíveis no mercado, é possível economizar e fazer o próprio esfoliante em casa. Mas são necessárias precauções, tanto nas misturinhas quanto na aplicação. Na esfoliação caseira, geralmente é utilizado um produto granulado em uma base hidratante ou emoliente. "Os grânulos promovem a remoção das células pelo atrito enquanto o hidratante preserva a pele", diz Mari de Chiara, enfermeira-esteta da Clínica Chiquetá de São Caetano do Sul (SP).


A expert conta que o primeiro passo para fazer a esfoliação em casa é escolher um creme adequado à região: facial ou corporal. Ingredientes com grânulos maiores e grossos são recomendados para o corpo e, os menores e suaves, para o rosto. Os movimentos realizados devem ser leves, contínuos e sequenciais. "Depois de terminado o processo, deve-se enxaguar a pele com água e aplicar um bom hidratante", completa Mari.


DA COZINHA

Não é qualquer ingrediente da cozinha que pode ser usado para esfoliar a cútis: algumas substâncias presentes em frutas cítricas e alimentos de cor verde, por exemplo, podem provocar manchas e até queimaduras na pele quando expostas ao sol.


Outra dica é evitar o excesso de ingredientes como sal grosso e açúcar cristal que possuem partículas pontiagudas que podem agredir a pele. Para a misturinha esfoliante, lembre-se que os óleos naturais e o mel são bons hidratantes e recuperam a barreira cutânea. Sal e açúcar mascavo possuem grânulos finos e eficazes no atrito necessário à esfoliação.


Ativos naturais como casca de arroz e semente de abóbora também podem ser usados. "O bicarbonato de sódio em pequenas quantidades é útil na limpeza e clareamento. As farinhas e aveia também são indicadas para esfoliação corporal", esclarece a dermatologista Natasha Crepaldi.


Esfoliação caseira é segura?
Folha Arte
 




TIPO DE PELE

A frequência da esfoliação facial está diretamente relacionada ao tipo de pele. As oleosas podem receber o processo até duas vezes na semana, para evitar a obstrução dos poros e o surgimento de cravos e espinhas. "Peles normais e ressecadas recomenda-se de uma a duas vezes por semana, já que são peles que acumulam maior quantidade de células mortas", indica Fernanda Sanches, cosmetóloga e farmacêutica de São Paulo (SP).


Sanches reforça que as peles sensíveis podem receber uma esfoliação suave a cada 15 dias. Para cútis lesionada ou com tendência à acne, o procedimento não é recomendado sem a supervisão de um dermatologista. Já a esfoliação corporal pode ser realizada semanalmente em todos os tipos de pele durante o banho. "No corpo, ajuda a evitar pelos encravados e, ainda, é eficaz contra gordura localizada e celulite", completa.




FREQUÊNCIA

Antes de fazer a misturinha e o processo em casa, é importante lembrar que a esfoliação cutânea muito frequente pode remover a proteção natural da pele, deixando a cútis mais suscetível a infecções, ressecamento e até alergias. Outro ponto ressaltado pela médica Natasha Crepaldi está relacionado à validade do esfoliante caseiro: sem conservantes, não deve ser guardado para uso posterior. "Há riscos de contaminação por bactérias, provocando foliculite e outras infecções cutâneas. Além disso, em peles oleosas, o excesso de esfoliação pode provocar um efeito rebote", avisa.

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo