ANO NOVO -

Londrinenses levam boas energias para a ceia

Lentilha, romã, uva, itens tradicionais entram na lista para uma ceia com sabor e muita superstição

Laís Taine - Grupo Folha
Laís Taine - Grupo Folha

“Pega nove sementinhas de romã, come três, joga três e embrulha três na carteira”, ensina um. “Você sobe na cadeira e come três colheradas da sopa de lentilha”, explica outra entre risos. Para os supersticiosos, a ceia do Ano Novo vai além do sabor, ela precisa trazer boas vibrações para o próximo ano. Em Londrina, teve quem não deixou para a última hora e já saiu às compras do item indispensável para garantir um 2020 melhor. 


Zenilda e Francisco José Ferreira vão consumir costelinha de porco, animal que "fuça para frente" abrindo caminhos para o Ano Novo
Zenilda e Francisco José Ferreira vão consumir costelinha de porco, animal que "fuça para frente" abrindo caminhos para o Ano Novo | Laís Taine
 


“Frango não pode, porque cisca para trás. Eu não sei direito, mas melhor evitar”, riem juntos Zenilda Ferreira, 56, e Francisco José Ferreira, 61, que neste ano já compraram a costelinha de porco, que é bicho que fuça para frente. Os dois analisavam a cesta de romãs em uma quitanda no Mercado Municipal Shangri-Lá. “Nunca costumo comprar a fruta, mas ouvi que é bom consumir no Réveillon, então quero tentar”, conta o técnico em telecomunicações aposentado. “Dizem que na hora da Virada tem que consumir até três caroços”, ensina. “No mínimo três”, corrige em seguida. 




Na casa de Marcus Nunes, 42, a superstição com a romã é um pouco diferente. A família pega nove sementes da fruta, come três, joga três e guarda três na carteira, mas essa não é a única forma de garantir boas energias. “Nós também guardamos folha de louro na carteira. Tiramos a antiga no Natal e renovamos com as folhas novas tiradas do pé no Dia de Folia de Reis”, relata. 


Marcus Nunes respeita a tradição da família espanhola e prepara bacalhau para a festa
Marcus Nunes respeita a tradição da família espanhola e prepara bacalhau para a festa | Laís Taine
 


Além da superstição com romã e folha de louro, há tradições de família que costumam ser indispensáveis. O bacalhau é uma delas e vai na receita (nem tão secreta) da família do administrador. “É uma tradição espanhola e a gente faz todo ano. Isso veio da minha avó há 90 anos, ela faleceu, mas a gente mantém”, conta. Nem ousam parar, porque o segredo não está mais na receita, mas no ritual. “Eu faço a massa, a minha irmã desfia e a gente fica ali na cozinha conversando, batendo um papo, tomando uma cervejinha enquanto faz”, revela. 


Bacalhau, conforme as tradições, pode ser consumido tranquilamente na Virada, já que é um animal que nada para frente. E o freezer com o ingrediente era o mais visitado no local. No entanto, algumas crenças sobre a carne do frango (que é um animal evitado, porque cisca para trás) vem caindo, conforme José Aparecido do Nascimento, o churrasqueiro da Casa de Carnes Furuta. “A gente faz mais carne de boi e porco, mas tem frango também, porque vem aumentando a procura”, conta.  


Nascimento fala que todo ano as pessoas deixam a compra para a última hora e por isso eles estão programando ligar os fornos na noite de segunda-feira (30) com a pretensão de desligá-lo só no final do expediente da terça-feira (31), na véspera. “Ao todo são 46 fornos, nós vamos ligar todos”, afirma. 


Na cultura japonesa, o moti é o item mais procurado e foi comprado por Elza Hassimoto, 58. “Dizem que é bom para trazer boa sorte e não faltar dinheiro”, afirma. O moti é uma espécie de bolo de arroz que sempre esteve presente no Ano Novo da família da microempresária. “Consumo desde que eu me entendo por gente. Segundo a tradição, deve ser a primeira refeição do ano”, ensina. 


Sônia Mara de Lucca comprou lentilhas para garantir a boa sorte
Sônia Mara de Lucca comprou lentilhas para garantir a boa sorte | Laís Taine
 


Há quem não abra mão do espumante e da sopa de lentilha. “Tem que ter em casa (a lentilha). Vem depois da ceia, consumida depois da meia noite. É uma tradição, dizem que dá sorte, eu acredito e ainda é um prato gostoso, um caldo morninho depois da refeição cai bem”, conta Sônia Mara de Lucca, 47.  


No mercado, a auxiliar administrativa levou a sua porção. Ela conta que um grupinho mais adepto das superstições até sobe na cadeira para dar as primeiras três colheradas, acreditando que esse é o jeito certo de trazer boa sorte. “Sempre tem alguém. Uva também, você pega três grãozinhos e toma com espumante”, explica, revelando outros itens que não faltam na mesa do Réveillon, oferta variada para todo tipo de superstição. “Na hora é cada um com sua crença e sempre um grupo acompanha”, ri com as propostas. 


Tieco Hirota espera o Ano Novo com flores, lírios amarelos e trigo decoram a sua casa na Virada
Tieco Hirota espera o Ano Novo com flores, lírios amarelos e trigo decoram a sua casa na Virada | Laís Taine
 

ALÉM DA COMIDA 

Tieco Hirota, 84, encomendou um arranjo na floricultura, incluindo lírio amarelo, para buscar na véspera do Ano Novo. A ideia é enfeitar e perfumar a casa com algo a mais. “Eu costumo colocar arranjo de trigo, porque acredito que traga sorte e saúde. Isso não falta na virada do ano e fica uma semana na minha sala”, conta. 


A dona de casa também usa vela e incenso no ambiente. “É uma forma de proteção do céu que eu costumo pedir, mas principalmente para o começo do ano eu gosto disso. Costumo agradecer pelo que foi e pedir saúde e harmonia para o que virá. Reunir a família e fazer um Réveillon com alto astral é muito bom”, sorri. 


Esperando que mais pessoas busquem por boas vibrações para a chegada do próximo ano, a Floricultura Shangri-Lá encomendou os Vasos 7 Ervas, que tem a promessa de trazer proteção e tirar as más energias do ambiente. “Bastante gente procura, porque o pessoal quer ter boa sorte e põe na entrada da casa, evitando coisas negativas”, explica a proprietária Yda Pozza.


Arruda, alecrim, pimenta, espada-de-São-Jorge, comigo-ninguém-pode, manjericão e abre-caminho estão no arranjo. “São ervas que dizem que limpam as energias negativas e plantas que atraem coisas boas”, explica. Nesse período do ano, o local também recebe encomenda de flores brancas e amarelas. “Para decoração ou de gente que vai viajar e leva para jogar no mar”, acrescenta Pozza.


Romãs: da ceia às carteiras, elas garantem fartura para o ano que se inicia
Romãs: da ceia às carteiras, elas garantem fartura para o ano que se inicia | Laís Taine
 





Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Últimas notícias

Continue lendo