A 13 dias do segundo turno, os dois candidatos à Prefeitura de Curitiba pretendem conquistar a população à base do corpo a corpo, com a divulgação de suas propostas no horário eleitoral e com a realização de comícios. Ângelo Vanhoni (PT), que não fez nenhum comício no primeiro turno, aposta na investida. Cassio Taniguchi (PFL) também acredita na força dos comícios e irá intensificá-los na periferia.
O trabalho estabelecido pelas coordenações dos prefeituráveis é fazer com que a campanha chegue o mais próximo possível dos eleitores. Também será dada uma atenção maior aos debates promovidos pelas emissoras de tevês e rádios, que acontecem durante esta semana.
‘‘A militância será importante nessa reta final para atrair quem está indeciso ou aquele que ainda desconhece as nossas propostas’’, afirmou o coordenador da campanha petista, o vereador Jorge Samek. Segundo ele, Vanhoni estará participando todos os dias de comícios nos bairros e também de panfletagem no centro da cidade.
No entanto, Samek destaca que o programa no horário eleitoral deverá ser bem trabalhado, por causa de seu alcance junto ao eleitorado. Será reforçada a proposta petista, mostrando programas sociais, como Bolsa Escola, já implementados em outras cidades administradas pelo PT. ‘‘Em uma cidade como Curitiba, entre 60% a 70% conhecem as proposta pela televisão ou rádio. Por isso, o cuidado especial com esse trabalho’’, informou.
Esse mesmo cuidado terá o candidato à reeleição. A assessoria de imprensa de Cassio informou que serão enfatizadas as propostas do pefelista até o fim da campanha. A intenção é detalhar o que a população ainda não conhece ou não sabe corretamente da proposta de governo do pefelista.
Também será reforçado o trabalho de corpo a corpo. Todos os dias, até o fim do prazo de campanha, Cassio realizará comícios na periferia. A região foi escolhida porque seria onde o prefeito identificou uma maior necessidade de esclarecimento junto a este eleitorado.
A assessoria de Cassio disse que o trabalho direto junto ao eleitorado será feito com ou sem a presença do candidato. Quando o prefeito não puder participar, participarão seus cabos eleitorais ou o vice-prefeito Beto Richa (PTB). Outro setor que o pefelista pretende explorar é junto ao empresariado e entidades de classes, com quais já agendou diversos encontros. Hoje, ele conversa com um grupo de comerciantes e também vai receber feirantes, que devem apresentar sugestões à campanha.
Os debates ganharão um destaque especial dos dois candidatos. Os coordenadores das campanhas estão ainda definindo as regras para participar do maior número possível de embates, promovidos por emissoras de rádios e TVs ou por entidades de classes. Por enquanto, apenas quatro confrontos estão fechados . ‘‘É o momento do conflito direto de idéias. Com isso, os eleitores vão poder perceber as diferenças entre os candidatos’’, avaliou Jorge Samek.