Torgan diz que CPI não quis denegrir a Polícia Arquivo FolhaTorgan: sanear instituições O relator da CPI, deputado federal Moroni Torgan (PFL-CE), garantiu ontem que a tomada de depoimentos para apurar o grau de envolvimento de policiais com o narcotráfico não tem por objetivo denegrir a imagem da Polícia Civil do Paraná ou de qualquer outra instituição do Estado. ‘‘Uma CPI não deve fragilizar instituições, mas saneá-las. A população deve confiar nas instituições. Acredito que não só na Polícia Civil, mas como em todas as instituições, existem pessoas que denigrem a imagem, porém, isso não deve ser generalizado’’, sinalizou o relator. Torgan disse que ‘‘já deu para sentir o apoio popular às decisões’’. ‘‘Do hotel para cá, muitas pessoas nos cumprimentaram, dando parabéns pelas medidas. A população espera medidas saneadoras’’, avaliou. Moroni Torgan defendeu que a CPI do Narcotráfico tem o dever de acabar com ‘‘atos de bandidagem’’. O deputado federal disse que o primeiro dia de investigações – quando foi apontado o envolvimento da cúpula da Polícia Civil com drogas – ‘‘teve dimensão além da imaginada’’. ‘‘Todo mundo sabe que o problema é grande. Existe crime organizado no Paraná, com ligações com o tráfico internacional, que se vale da estrutura aqui montada’’, resumiu. Moroni Torgan disse achar difícil, na passagem da CPI pelo Estado, a indentificação dos cabeças do esquema. ‘‘Pelo menos chegamos a pessoas que até hoje estavam agindo impunimente por quase uma década’’, observou.(L.D.)