O prefeito de Curitiba, Cassio Taniguchi (PFL), candidato à reeleição, gastou boa parte de sua participação no terceiro debate na TV no segundo turno para insistir na estratégia que vem adotando no horário eleitoral gratuito: a tentativa de associar seu adversário, Ângelo Vanhoni (PT), a um suposto desconhecimento da realidade e dos problemas da cidade. Promovido pela TV Iguaçu (retransmissora do SBT) e da Associação Comercial do Paraná (ACP), o confronto, com transmissão ao vivo, teve 1 hora e 25 minutos de duração – entre as 10h e as 11h25 de ontem.
Nas quatro perguntas a que teve direito, Cassio aproveitou para ‘‘pedir a avaliação’’ do adversário a respeito de programas de sua administração (geração de emprego, atendimento a crianças e adolescentes dependentes de drogas, venda da produção de artesãos e educação de trânsito).
Diante da recusa de Vanhoni em comentar diretamente esses programas, preferindo apresentar suas propostas para essas áreas, o prefeito aproveitou para apontar o suposto desconhecimento do petista. ‘‘O senhor não fez a lição de casa. Não conhece a cidade’’, repetiu o prefeito.
Vanhoni, por sua vez, tentou colocar em descrédito os números do adversário em relação à geração de empregos nos últimos quatro anos. Chegou a desafiar o prefeito a provar que o Linhão do Emprego (uma avenida de 32 quilômetros, cortando 18 bairros, com quatro barracões para a instalação de pequenas empresas) tenha gerado mais que 12 mil empregos diretos. A propaganda de Cassio afirma que a iniciativa já provocou a criação de 28 mil postos de trabalho.
O prefeito classificou de ‘‘bravata’’ o desafio do adversário. À tarde, sua assessoria de comunicação distribuiu nota afirmando que Cassio enviaria um mapa da cidade a Vanhoni, ‘‘para ele saber quais são os 18 bairros por onde passa o Linhão do Emprego’’. E, com uma ironia, insistiu no ataque ao suposto desconhecimento da cidade. ‘‘Vou acompanhá-lo na visita ao Linhão do Emprego, até para que ele não se perca.’’
Vanhoni criticou a carta que está sendo enviada aos servidores municipais pelo comitê de campanha de Cassio ‘‘anunciando’’ reajuste salarial de 10% para a categoria no próximo ano. A legislação eleitoral proíbe administradores de dar aumento salarial ao funcionalismo em período de eleições. Para se defender, o prefeito disse que ‘‘não deu o aumento’’, mas apenas ‘‘informou’’ que esse aumento já estaria garantido no orçamento do próximo ano.
O petista também criticou o fato de o prefeito ter escolhido como coordenador de campanha no segundo turno o secretário estadual de Transportes licenciado Heinz Herwig. Escolhido pelo governador Jaime Lerner (PFL), padrinho de Cassio, para ocupar uma vaga de conselheiro no Tribunal de Contas (TC) do Estado, Herwig será um dos responsáveis por julgar, no próximo ano, as contas do futuro prefeito de Curitiba. ‘‘É o mesmo que o juiz de um jogo entre Coritiba e Atlético entrar em campo com a camisa de um dos times’’, comparou Vanhoni.