|
  • Bitcoin 104.016
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5605
Londrina

LONDRINA

m de leitura Atualizado em 26/05/2022, 18:58

Segue para sanção projeto que proíbe linguagem neutra nas escolas

Câmara aprova em segundo turno projeto apresentado por vereadora alinhada a Bolsonaro

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 26 de maio de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Segue para sanção projeto que proíbe linguagem neutra nas escolas Imagem ilustrativa da imagem Segue para sanção projeto que proíbe linguagem neutra nas escolas
|  Foto: Devanir Parra/CML
  

Com 15 votos favoráveis, dois contrários e duas abstenções, a Câmara Municipal de Londrina aprovou em segundo turno o projeto de lei que que proíbe o uso da linguagem neutra em escolas públicas e particulares de Londrina. Com a votação final, segue para a sanção do prefeito de Londrina, Marcelo Belinati (PP), a medida proposta pela vereadora Jessicão (PP), que pretende proibir ainda instituições de ensino e bancas examinadoras de seleções e concursos públicos para acesso a cargos públicos no município de usarem linguagem neutra, isto é, novas formas de flexão de gênero e de número das palavras da Língua Portuguesa.

Entre vereadores contrários à matéria estão Lenir de Assis (PT) e Matheus Thum (PP). "Quando se fala em linguagem neutra, se fala de uma linguagem de inclusão e novamente nós estamos aqui votando uma proposta que nega a existência de luta incansável de pessoas de outros gêneros. Essa luta é da população LGBTQIA+ que muitas vezes é invisível para a sociedade. A linguagem é dinâmica, ela é viva, não aprisiona." Já as abstenções foram de Flavia Cabral (PTB) e Lu Oliveira (PL). 

Em tom de ironia, o vereador Claudemir dos Santos, o Santão (PSC), voltou a criticar o uso de linguagem neutra. "Votei sim porque respeito as mulheres. Vou chamá-las de bonitas como elas são. Não as chamarei de 'bonites'. Temos que respeita´r a língua portuguesa, não é 'lingue portuguese'." No ano passado, o vereador Santão (PSC) chegou a ser alvo de uma representação do Conselho Municipal de Promoção da Igualdade Racial. O pedido acabou arquivado, mas causou polêmica. A ironia aconteceu após a gestora municipal de Promoção da Igualdade Racial, Maria de Fátima Beraldo, saudar as pessoas presentes com “Boa tarde a todos, todas e todes”, utilizado em referência a linguagem neutra. 

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.