Promotoria de SP investiga denúncia de venda de votos Agência Folha De São Paulo O Ministério Público vai centrar fogo nas denúncias de corrupção e venda de votos envolvendo o prefeito de São Paulo, Celso Pitta (PTN) – foto – e vereadores. A acusação foi feita pela ex-primeira-dama Nicéa Pitta que disse ter presenciado a negociação. O modo de vida do prefeito, que aparentemente é incompatível com seu salário na prefeitura (R$ 6.000), também será alvo de investigação, segundo o procurador do setor que apura crimes cometidos por prefeitos, Alberto de Oliveira Andrade Netto. As prioridades da investigação, baseadas no depoimento de Nicéa, foram anunciadas ontem pelo procurador, que afirmou ainda que o presidente da Câmara, Armando Mellão (PMDB), será um dos primeiros a ser ouvido no caso de corrupção. Mellão foi acusado pela ex-primeira-dama de ser o intermediador do pagamento entre o prefeito e os demais vereadores. O presidente da Câmara negou as acusações de Nicéa. ‘‘Esse fato é importante, porque, apesar de não ter provas materiais, Nicéa disse ter presenciado a conversa em sua própria casa’’, disse Andrade Netto. O procurador não confirmou se os vereadores apontados por Nicéa de terem participado da negociação também serão intimados. De acordo com o procurador-geral de Justiça interino, José Roberto Garcia Durand, o Ministério Público já está fazendo operações para conseguir provas. ‘‘Não podemos adiantar os próximos passos para não atrapalhar as investigações’’, afirmou Durand. A promotoria de Justiça da Cidadania decidiu ontem enviar ofício ao 8º Cartório de Título e Documentos requisitando cópia do último contrato de empréstimo do empresário Jorge Yunes ao prefeito Celso Pitta. O objetivo do inquérito civil é apurar possíveis irregularidades no negócio e verificar como o prefeito pagaria a dívida. A iniciativa de oficiar o cartório foi do promotor Saad Mazloun que responde atualmente pelo inquérito. A reportagem procurou o promotor da Cidadania, que não quis fazer nenhum comentário sobre o andamento da investigação. Segundo ele, o procedimento está sob sigilo.