|
  • Bitcoin 121.439
  • Dólar 5,0555
  • Euro 5,2186
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 12/07/2022, 17:02

Projeto determina informações em braile em gôndolas de supermercados

Proposta é aprovada em primeira discussão pela Câmara Municipal de Londrina; Apras critica obrigatoriedade

PUBLICAÇÃO
terça-feira, 12 de julho de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Projeto determina informações em braile em gôndolas de supermercados Imagem ilustrativa da imagem Projeto determina informações em braile em gôndolas de supermercados
|  Foto: iStock
  

A Câmara Municipal de Londrina aprovou por 17 votos favoráveis na tarde desta terça-feira (12) o projeto de lei (PL) que prevê que supermercados, padarias e estabelecimentos comerciais similares deverão afixar informações em braile sobre os produtos expostos nas gôndolas ou disponibilizar um funcionário devidamente capacitado para acompanhar o deficiente visual total ou com baixa visão durante sua permanência no estabelecimento. Representantes da Adevilon (Associação dos Deficientes Visuais de Londrina) subiram à tribuna para defender a pauta.

A proposta indica que a capacitação deverá ser feita em associações, institutos ou entidades que disponibilizem profissionais habilitados. Se a opção for por etiquetas em braile contendo as informações sobre os produtos e preços, deverão estar fixadas em local de fácil acesso para o consumidor. 

O projeto especifica que as etiquetas a serem impressas em braile deverão constar informações relativas aos diferentes produtos e serviços, "com especificação correta de quantidade, características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre os riscos que apresentem”. Os estabelecimentos terão prazo de 10 meses, a partir da data da publicação da lei, para se adequarem. 

A matéria diz ainda que o descumprimento do disposto nesta lei sujeitará o infrator às punições previstas no Código de Defesa do Consumidor (Lei Federal nº 8.078, de 11 de setembro de 1990). Em parecer, o Procon Londrina afirmou que, tratando-se de projeto de lei que aborda o direito básico do consumidor à informação, não se opõe à penalização do infrator com as sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor. 

OUTRO LADO

 Em parecer, a Apras Londrina (Associação Paranaense dos Supermercados) informou que não vê "óbice jurídico" na obrigatoriedade. Entretanto, pontua que há um excesso de ônus para o setor com "adaptações desnecessárias', principalmente na mudança das gôndolas, "uma vez que os funcionários já auxiliam os consumidores, quando necessário, sem necessidade de cargo específico". A Apras ainda disse que seria inviável ao consumidor deficiente visual ler 30 mil itens disposto em um hipermercado, por exemplo. E finaliza que é "dever do Estado garantir vida digna e acessibilidade" não cabendo ao "particular realizar tais providências". A proposta volta em segunda discussão antes da sanção ou veto da lei pelo prefeito Marcelo Belinati (PP).

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo linkwa.me/message/6WMTNSJARGMLL1.