|
  • Bitcoin 120.942
  • Dólar 5,0849
  • Euro 5,2378
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 20/07/2022, 19:09

Projeto de lei pede fim da intolerância política no Paraná

Iniciativa do deputado Arilson Chiorato (PT) vem na esteira de assassinato de militantes petista por policial bolsonarista em Foz do Iguaçu

PUBLICAÇÃO
quarta-feira, 20 de julho de 2022

Reportagem local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Fim da intolerância política e promoção da tolerância democrática. É o que pede o projeto de lei 342/2022, protocolado na terça-feira (19), na Assembleia Legislativa do Paraná. O projeto visa criar um dia de conscientização sobre o tema e sugere 9 de julho, data em que o guarda municipal Marcelo Arruda foi assassinado em sua própria festa de aniversário pelo policial Jorge Guaranho, apoiador do governo Bolsonaro, em Foz do Iguaçu, que teve como tema o ex-presidente Lula e o Partido dos Trabalhadores (PT).

A iniciativa do deputado Arilson Chiorato (PT) ganhou a adesão de deputados de oposição e de diversos partidos. A proposta, caso aprovada pelo plenário, após ser analisada pelas comissões permanentes da Assembleia, institui no Calendário Oficial de Eventos do Estado do Paraná o Dia Estadual de Luta contra a Intolerância Política e de Promoção da Tolerância Democrática, a ser celebrado anualmente no dia 9 de julho.

O texto da matéria também prevê que o Poder Executivo poderá firmar convênios e parcerias com entidades sem fins lucrativos e instituições públicas e particulares, especialmente do meio educacional, que tratem do tema para a realização de eventos, campanhas e atividades de conscientização.

Imagem ilustrativa da imagem Projeto de lei pede fim da intolerância política no Paraná Imagem ilustrativa da imagem Projeto de lei pede fim da intolerância política no Paraná
|  Foto: Reprodução Facebook
 

"O objetivo desse projeto, que homenageia Marcelo Arruda, é bem simples: paz na política. A paz é imprescindível para que a democracia permaneça e se fortaleça. Todos têm o direito de expressar suas predileções políticas, religiosas e culturais”, pontua a justificativa do projeto que também visa a mobilização suprapartidária e que envolva diversos segmentos da sociedade civil organizada, sobretudo, das entidades sem fins lucrativos, para que haja a promoção da cultura, da tolerância e respeito à democracia, além disso, é preciso superar o tabu que política não se discute. (Com assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa)

Receba nossas notícias direto no seu celular, envie, também, suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link