Numa atitude de evidente retaliação após sua frustrada tentativa de reeleição, o prefeito de Borrazópolis (60 km ao sul de Apucarana), Rodolfo Haider (PSL), decidiu suspender todo tipo de atendimento à população. O anúncio foi feito na terça-feira e, além de provocar espanto, teve a imediata reação de oito dos nove vereadores. Eles estão exigindo do prefeito que reestabeleça o atendimento sob pena de ser investigado.
Entre as medidas polêmicas anunciadas por Haider estão a cobrança de taxas para qualquer tipo de procedimento no Hospital Municipal e a suspensão total do transporte de estudantes da zona rural para a cidade e de Borrazópolis para as faculdades da região.
Reunidos numa sessão extraordinária, na noite da última terça-feira, os vereadores aprovaram e assinaram um documento, que foi encaminhado a Haider. Eles solicitaram ao prefeito que fossem retomados estes serviços. Os vereadores alertaram que poderão até adotar providências mais rigorosas contra o prefeito caso os serviços não sejam normalizados. Uma das medidas seria abrir uma Comissão Especial de Inquérito (CEI).
Um dia depois da iniciativa da Câmara, a Rádio ‘‘Nova Era’’ divulgou que o transporte de estudantes da zona rural já tinha sido normalizado. Mas os procedimentos médicos médicos-hospitalares continuavam sendo cobrados no Hospital Municipal, provocando revolta na população. Os vereadores deverão voltar a se reunir essa semana para avaliar as possíveis medidas que tomarão contra o prefeito.
Haider – que está concluindo seu segundo mandato como prefeito – teve apenas 224 votos na sua frustrada tentativa de reeleição em Borrazópolis. A eleição foi vencida por Malú Pereira (PPB), com 2.697 votos, tendo o padre Oswaldo Campos de Almeida (PT) em segundo lugar, com 2.539 votos. O prefeito não foi localizado pela reportagem e seus assessores informaram não saber onde ele estava.