Da redação
O governo do Paraná começa, a partir desta semana, a discutir junto ao governo federal uma agenda social para o Estado no ano 2000. A Secretaria da Criança e Assuntos da Família está na iminência de enviar a versão final de um documento contendo sugestões para o plano do governo federal de melhoria dos indicadores sociais e redução dos índices de pobreza a partir de ações integradas que serão desenvolvidas nos Estados. A agenda é apontada pelo presidente Fernando Henrique como a estratégia mais importante de desenvolvimento social do País.
A agenda social paranaense contém aproximadamente 100 páginas. O documento demorou dois meses para ficar pronto e foi concebido com a participação inicial de 50 representantes do governo estadual, Prefeitura de Curitiba e organizações não-governamentais, que se reuniram a partir do início de outubro passado sob a coordenação da secretária da Criança e Assuntos da Família, a primeira-dama Fani Lerner.
Nessas reuniões foram eleitas as seis áreas de ação consideradas prioritárias para o Paraná e tomadas como compromissos de governo pela administração estadual: redução da mortalidade infantil, ampliação do atendimento ao pré-escolar e às crianças e aos adolescentes em situação de risco, incentivo à participação familiar em programas de geração de renda nas áreas rural e urbana, redução das causas de adoecimento entre maiores de 65 anos e proteção ao meio ambiente. No Paraná, essas ações continuarão, segundo o governo, sendo acompanhas por setores responsáveis.
Para Fani Lerner a definição da agenda social ‘‘é bastante oportuna’’. ‘‘Representa a possibilidade de setores importantes, e que já são contemplados pelo governo estadual, receberem mais atenção. Vamos ver como o governo federal pode nos ajudar nisso’’, avaliou a mulher do governador Jaime Lerner (PFL).