|
  • Bitcoin 121.350
  • Dólar 5,0504
  • Euro 5,2179
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 05/08/2022, 12:32

Policial que matou aniversariante por tema de festa teria levado mais de 20 chutes na cabeça

Agressões fazem parte de investigação paralela conduzida pela Polícia Civil do Paraná, que apura o impacto das lesões sofridas por Guaranho

PUBLICAÇÃO
quinta-feira, 04 de agosto de 2022

Folhapress
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

Novas imagens das câmeras de segurança do local onde ocorreu o assassinato do petista Marcelo Arruda mostram que o policial penal bolsonarista Jorge José da Rocha Guaranho foi atingido por mais de 20 chutes na cabeça após assassinar Arruda que comemorava o aniversário de 50 anos com uma festa temática do PT, em Foz do Iguaçu, na noite de 9 de julho.

Caído no chão após atirar primeiro contra Arruda e depois ser atingido, Guaranho foi alvo de uma sessão de espancamento de quase seis minutos, como mostra o vídeo obtido pelo portal UOL. Foram ao menos 38 agressões, que também incluem chutes no tórax, nas pernas e dois saltos sobre o peito. Enquanto isso, Arruda recebia assistência de pessoas que estavam no salão.


As agressões fazem parte de uma investigação paralela conduzida pela Polícia Civil do Paraná, que apura o impacto das lesões sofridas por Guaranho em decorrência dos chutes e pisões praticados por três convidados da festa. O policial penal também foi ferido por seis tiros disparados por Arruda, que o atingiram no rosto, pescoço e pernas.

Como a investigação da Polícia Civil do Paraná corre em segredo de Justiça, a identidade dos agressores não foi informada, e também está inacessível ao Ministério Público e aos advogados de Guaranho.

Preso preventivamente e denunciado pelo Ministério Público por homicídio duplamente qualificado, Guaranho teve alta da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Ministro Costa Cavalcanti há duas semanas, mas continua internado na enfermaria da unidade de saúde. O processo de recuperação ainda é considerado delicado, segundo os representantes legais dele.

O advogado Luciano Santoro relaciona as agressões à gravidade da lesão, e diz que Guaranho perdeu a memória do dia do tiroteio. "Chutaram muito a cabeça dele. É um milagre ele ter sobrevivido".

O inquérito conduzido pela Polícia Civil do Paraná será concluído após o laudo do IML (Instituto Médico Legal) para apurar o grau das lesões em decorrência das agressões, que será feito em Jorge Guaranho assim que ele tiver alta hospitalar, prevista para os próximos dias. "[Guaranho] será submetido ao exame de corpo de delito, necessário para a conclusão da investigação", informou em nota a Polícia Civil.

"É um fato grave. Assim que o inquérito for concluído, o Ministério Público irá analisar a conduta dos agressores e tomará as providências cabíveis", informou o promotor Tiago Mendonça Lisboa em entrevista ao UOL.