O delegado-chefe da 9ª Subdivisão Policial de Maringá, Maurício de Oliveira Camargo, disse ontem que já tem indícios para pedir a prisão preventiva do ex-secretário de Fazenda Luis Antônio Paolicchi, acusado de improbidade administrativa. Camargo aguarda cópia da ação civil pública do Ministério Público (MP), na qual Paolicchi, um funcionário dele, Waldemir Reinaldo Corrêa, e dois servidores públicos são acusados de desviar R$ 2,6 milhões da prefeitura, de dezembro de 1998 a março do ano passado. ‘‘Se caracterizar fuga do distrito de culpa posso pedir a prisão’’, explicou Camargo à Folha.
O primeiro passo para o pedido de prisão, disse o delegado, foi dado através da solicitação da ação. ‘‘Como o Ministério Público já realizou uma investigação e tem dados concretos, não precisamos repetir o procedimento’’. A Polícia também está com investigadores para convocar os envolvidos. ‘‘Os policiais devem passar um relatório da situação hoje.’’
A partir da intimação, que deve ser feita pessoalmente pela autoridade policial, os citados terão mais um prazo para comparecer, que pode ser também de três dias. ‘‘Quem não cumprir a determinação terá a prisão pedida’’, avisa.
Todos os citados ou envolvidos no caso, segundo o delegado, serão ouvidos pela Polícia, inclusive o atual secretário de Fazenda, Jorge Aparecido Sossai e a servidora Rosimeire Castelhano Barbosa. (M.Z.)