Perícia confirma que houve disparo de tiro contra AL Israel Reinstein De Curitiba O Instituto de Criminalística da Polícia Civil confirmou que foi uma bala que anteontem estourou a porta da Assembléia, durante o depoimento do policial Edimir Silveira. Apesar da confirmação, o delegado da Homicídio, Fauzen Salmen, põe em dúvida o projétil encontrado, afirmando que poderia ter sido plantado por alguém que quer desmoralizar a Segurança do Paraná. No entanto, o deputado Padre Roque afirmou que o delegado está falando ‘‘bobagem’’. ‘‘Algum imbecil ou palhaço colocou um projétil no chão (próximo da porta) para pôr em xeque o esquema de segurança do Grupo Fera, Polícia Federal e Polícia Militar’’, disse Salmen. O delegado assegurou que logo depois que a porta quebrou (às 21h41), os policiais foram ao local, onde teria acontecido o disparo. ‘‘Foi feito uma varredura por policiais civis e federais e nenhum deles encontrou nenhum projétil’’, afirmou. O delegado disse que foi analisado o local em busca de pista. ‘‘Não havia vestígios de pólvora, de rebocos de paredes no chão’’, afirmou. Ele contou que foram encontrados apenas dois buracos na parede. ‘‘Mas a trajetória descartava que fosse de armas’’, disse. Salmen levantou a hipótese de que a porta de vidro se quebrou por causa de um choque térmico ou uma pancada. Ele disse que nenhum policial que estava do lado externo ouviu ainda argumentou que nenhum policial que estava do lado de fora da Assembléia escutou estampido de arma. Porém depois da vistoria das polícias, Torgan e Robson, encontraram um reboco no chão e que encaixava no buraco que Salmen declarou como um furo antigo. Irritados, os deputados pediram uma nova perícia do Instituto de Criminalística. De madrugada foi achado o projétil. Ontem, o esquema de proteção dos parlamentares recebeu um reforço de mais 20 PMs.