Giovani Ferreira
De Curitiba
A Comissão Pastoral da Terra (CPT) viu com alívio a saída de Cândido Martins de Oliveira da Secretaria de Estado da Segurança Pública. O presidente nacional da CPT, Dom Tomás Balduíno, que esteve ontem em Curitiba, aposta que a partir de agora possa haver um melhor entendimento entre o governo estadual e as entidades envolvidas com a questão da reforma agrária no Paraná.
‘‘Pior do que estava não há de ser’’, disse Dom Tomás, lembrando que até então as decisões foram tomadas a partir da pressão de grandes grupos de latifundiários. Ele acredita que as mudanças no comando policial do Estado ‘‘enfraqueceu o aparato guerreiro, anunciando um certo caminho de paz’’. Disse, que essa não é uma visão otimista, mas o menos pessimista possível, levando em consideração que a ‘‘queda’’ desse comando também foi encarada como uma conquista para a CPT.
Na avaliação de Dom Tomás, as mudanças na estrutura da segurança representam um passo a mais no sentido de se tentar dialogar.