Mesmo com a derrota do deputado estadual Ângelo Vanhoni em Curitiba, o maior colégio eleitoral do Estado, o Partido dos Trabalhadores pode se considerar o grande vencedor do pleito deste ano, já que elegeu dez prefeitos no Paraná, contra seis em 1996. O grande avanço, no entanto, está na representatividade eleitoral. Com a conquista das prefeituras de Londrina e Maringá, anteontem; e de Ponta Grossa, no primeiro turno – respectivamente a segunda, terceira e quarta maiores cidades paranaenses –, o PT vai administrar 12,5% do eleitorado paranaense, mais de 810 mil eleitores do total de 6,5 milhão registrados junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).
No Paraná, a partir do próximo ano, o PT vai administrar Londrina (Nedson Micheleti), Maringá (José Cláudio), Ponta Grossa (Péricles Mello), Rebouças (Luiz Zak), Serranópolis do Iguaçu (Nilvo Perlim), Medianeira (Luiz Yoshio Suzuke), Porecatu (Dionísio Santos de Souza), Sarandi (Aparecido Spada), Santo Antônio do Paraíso (Vanderlei Martins Ferreira) e Vera Cruz do Oeste (Marcos Villas Boas).
Nas eleições de 1996, o PT elegeu prefeitos em seis cidades (Douradina – hoje o prefeito está no PSDB –, Mandaguaçu, Medianeira, Rebouças Serranópolis do Iguaçu, União da Vitória) e aproximadamente 110 vereadores. No importante colégio eleitoral de União da Vitória, o prefeito Ivo Ilkiv tentou a reeleição, mas não conseguiu no dia 1º.
Em todo País, o PT vai administrar 187 prefeituras, totalizando uma população de 28,8 milhões de pessoas, quase 18% da população brasileira. O Partido dos Trabalhadores venceu em 13 das 31 cidades onde houve segundo turno, seis delas são capitais – Aracaju, São Paulo, Belém, Recife, Goiânia e Porto Alegre. Sete das outras cidades possuem mais de 200 mil eleitores.
Não há como negar que foi um sucesso eleitoral a opção dos candidatos do PT em usar uma linha menos radical, mais ‘light’. Ao priorizar a divulgaçãoo de propostas para administrar as cidades, em vez do seu tradicional discurso crítico e agressivo contra a política adotada pelo governo federal e seus aliados nos estados, o PT acabou sendo o maior beneficiário das eleições municipais em todo o País.
No primeiro turno, o Partido dos Trabalhadores chegou às eleições com 115 prefeitos e mais de 100 vices-prefeitos no interior do Brasil, incluindo-se aí as capitais Porto Alegre (no Rio Grande do Sul) e Rio Branco (no Acre).