Os juízes do Paraná, que na segunda-feira realizaram assembléia em que a maioria decidiu não ir à greve estão dispostos a retomar a paralisação de o Supremo derrubar a liminar do auxílio-moradia. ‘‘Caso a liminar seja suspensa, a paralisação será retomada’’, disse Arion Mazurkevic, diretor de prerrogativas da Associação dos Magistrados do Trabalho do Paraná (Amatra-PR). Mazurkevic recriminou o auxílio-moradia: ‘‘Esta foi uma solução precária que o governo federal encontrou para evitar a greve. Vamos voltar ao trabalho, mas continuaremos a reivindicar o estabelecimento de um teto máximo de vencimentos para toda a administração pública’’, declarou. Em Curitiba, a assembléia da categoria teve a presença de 28 juízes do trabalho.