Um balanço geral dos resultados do primeiro e do segundo turno das eleições municipais mostra que os cinco principais partidos da oposição de esquerda (PT, PDT, PSB, PPS e PC do B) conquistaram as prefeituras de 27 das 57 cidades que têm mais de 200 mil eleitores. Os prefeitos eleitos por esses partidos irão governar 19 milhões dos 35,7 milhões de eleitores concentrados nessas áreas, que correspondem a 33% do eleitorado nacional.
Nesse universo, a oposição de fato venceu a eleição, uma vez que os cinco maiores partidos da base governista (PSDB, PFL, PMDB, PPB e PTB) ganharam em 28 cidades e irão governar 15,6 milhões de eleitores, 3,4 milhões a menos. As cidades a serem governadas pelo PL (Manaus) e PSC (Jaboatão) não entram nessa contabilidade porque esses partidos são considerados independentes - tanto podem apoiar o governo quanto se opor às suas políticas, dependendo do caso e de seus interesses específicos.
A adoção do critério quantitativo para definir ganhadores e perdedores demonstra, por conseguinte, que o eleitorado dos grandes centros urbanos aceitou a pregação oposicionista e sublinhou seu descontentamento com as deficiências do modelo socioeconômico e político vigente. As direções nacionais do PSDB e do PFL, reunidas informalmente ontem, deduziram que a oposição conseguiu formular com mais eficácia o discurso da questão urbana, uma falha nas prioridades do governo federal e das políticas públicas do situacionismo em todo o País.
A análise do comportamento dos outros dois terços do eleitorado revela, no entanto, um quadro favorável aos partidos aliados na esfera federal. Nas 850 cidades classificadas como de porte médio, que têm entre 20 mil e 200 mil eleitores, o grupo da oposição perdeu a eleição vencendo em apenas 30,8% dos municípios. Os partidos governistas conquistaram 588 prefeituras (69,2% do total) em um universo de 40,3 milhões de eleitores, o correspondente a 37% do total do País.
O mesmo fenômeno foi registrado nas 4.652 cidades pequenas, de menos de 20 mil habitantes, que, com seus 32,4 milhões de eleitores, representam 30% do eleitorado nacional. Nessa fatia, os cinco maiores partidos governistas tiveram uma vitória ainda mais expressiva: conquistaram 3.675 prefeituras (80% do total) enquanto a oposição conseguiu 977 (20% dos municípios).
O PSDB e o PFL reconheceram ontem a vitória do PT e tentaram extrair algumas lições do resultado. Os tucanos admitem que o PT conseguiu capitalizar a carência de ações federais, sobretudo, na maiores cidades. O presidente Fernando Henrique Cardoso também reconheceu, mas minimizou o avanço do PT. Ele disse que o PSDB também cresceu. ‘‘É inequívoco que houve um avanço grande do PT em algumas áreas, capitais e cidades grandes, mas não foi o único’’.