A Prefeitura de Londrina tem 9.361 servidores, incluindo a administração direta e todos os órgãos da administração indireta. O número consta de relatório publicado na edição de quarta-feira do Jornal Oficial do Município. São 942 servidores a mais do que em 2013, quando a prefeitura tinha 8.419 funcionários. O crescimento foi de 11,18% e ocorreu principalmente nas secretarias de Saúde e Educação.
Na pasta de Saúde, eram 2.639 cargos ocupados e hoje são 3.037, uma diferença de 398 profissionais. Na Educação, o crescimento foi de 441 servidores. Também houve preenchimento de 136 vagas na Guarda Municipal (administração direta), que passou a ter efetivo de 322 agentes contra 186 em 2013. "Saúde e educação são prioridade. No caso da Guarda, a intenção é acabar com o serviço de vigilância terceirizada e manter a Guarda estruturada", disse o prefeito Alexandre Kireeff (PSD).
Mencionando estudo elaborado pela Secretaria Municipal de Planejamento, o prefeito disse que, apesar das contratações, o número de servidores em Londrina ainda é deficitário. O levantamento, segundo ele, apontou que cidades do mesmo porte têm mais servidores.
Em Londrina, disse o prefeito, há um servidor para cada 79,5 habitantes. Em Ribeirão Preto (SP), a proporção é de um para 54; em Sorocaba (SP) e Vila Velha (ES), 49; em Caxias do Sul (RS), Juiz de Fora (MG) e Joinville (SC), 44. "Em Maringá, que é uma cidade menor, mas uma referência regional, é um servidor para cada 34 habitantes", comentou Kireeff. "Essa defasagem em Londrina se traduz na falta de qualidade dos serviços públicos ofertados."
Para reduzir o deficit, o prefeito disse que sua administração "trabalha em duas frentes": "A primeira, a médio prazo, é o desenvolvimento da atividade econômica, que geraria mais receita e possibilidade de contratações; a curto prazo, estamos otimizando os recursos que temos para aumentar a arrecadação".

Redução
A maior redução é observada na Companhia de Habitação (Cohab), que perdeu 17 servidores – no ano passado, a companhia deflagrou um plano de demissão voluntária para enxugar custos. Nos demais setores o número de funcionários teve pouca variação.
O número de comissionados também ficou praticamente estável: são três a mais neste ano, chegando a 91, o que representa quase 1% de todo o quadro funcional efetivo. O maior número de cargos de confiança está na administração direta e inclui os membros do primeiro escalão e assessores. Na Companhia de Trânsito e Urbanização (CMTU) são 15 comissionados e no Instituto de Desenvolvimento (Codel), 12.
Na Câmara, que também publicou a relação de servidores, são 57 efetivos, dois a menos do que em 2013. Há 45 técnicos legislativos, cinco contadores, três advogados, três analistas de informática e um bibliotecário. O relatório também revela a existência de 114 pessoas em cargos comissionados: são cargos de confiança do presidente e assessores dos vereadores. O presidente da Câmara pode ter até seis assessores e cada vereador pode contratar até cinco comissionados.

Imagem ilustrativa da imagem Número de servidores em Londrina cresce 11%