|
  • Bitcoin 121.259
  • Dólar 5,0515
  • Euro 5,2137
Londrina

Política

m de leitura Atualizado em 08/07/2022, 18:58

Mesmo após período crítico, AL vota prorrogação de Estado de Calamidade

Governo justifica que medida é por conta de contratos de leitos que precisaram ser prorrogados

PUBLICAÇÃO
sexta-feira, 08 de julho de 2022

Guilherme Marconi - Grupo Folha
AUTOR autor do artigo

menu flutuante
Imagem ilustrativa da imagem Mesmo após período crítico, AL vota prorrogação de Estado de Calamidade Imagem ilustrativa da imagem Mesmo após período crítico, AL vota prorrogação de Estado de Calamidade
|  Foto: Dálie Felberg/Alep
  

O estágio mais crítico da pandemia com leitos de hospitais e UPAs superlotados já passou, mesmo assim o governo do Estado pretende prorrogar o Estado de Calamidade Pública do Paraná com efeitos até 14 de agosto deste ano. Trata-se do projeto de decreto legislativo 5/2022, da Comissão Executiva da Assembleia Legislativa, que voltará à pauta de segunda-feira (10) em segundo turno em sessão ordinária. O decreto anterior, aprovado em 15 de dezembro de 2021, tinha validade até o dia 30 de junho deste ano.

O governo estadual, em ofício enviado no dia 27 de junho, havia pedido a prorrogação da medida para formalização de contratos com hospitais para fornecimento de leitos. Ao todo, seriam dez contratos emergenciais e quatro formalizações de repasses na modalidade fundo a fundo, perfazendo o valor mensal investido de aproximadamente R$ 8 milhões, com recursos oriundos do Tesouro do Estado, segundo a justificativa do projeto.

O deputado Tiago Amaral (PSD), vice-líder do governo na Casa, informou que para manter os leitos de enfrentamento ao coronavirus, é imprescindível a prorrogação do período de calamidade pública proposto pelo Executivo. "Ainda é preciso do decreto para esse período mais agudo das outras doenças respiratórias que aumentaram, mesmo com a diminuição de casos de Covid-19. Outros índices como aumento de acidente e necessidades de cirurgias eletivas deram uma sobrecarregada no sistema de saúde", disse.

Segundo ele, a maior frente de necessidade de prorrogação de contratos é com hospitais universitários. "Foram contratos extraordinários com contratações. Para não correr risco de suspender ou quebrar esses contratos e por precaução será necessário prorrogar por 45 dias o Estado de Calamidade", pontuou. 

O primeiro decreto de Estado de Calamidade Pública por causa da Covid foi publicado no dia 23 de de março de 2020, no início da pandemia da doença.

TRÂMITE

A proposta está pautada para ser votada em segundo turno na sessão ordinária. No entanto, para isso acontecer, a Comissão de Constituição e Justiça da AL, que se reunirá antes da sessão, precisa emitir parecer de uma subemenda de plenário. A emenda, apresentada pela Liderança do Governo, determina o Estado de Calamidade a partir do dia 1º de julho e as ações atinentes à Secretaria de Estado da Saúde e aos programas de subvenção econômica nos contratos de aprendizagem em caráter emergencial da Secretaria da Justiça, Família e Trabalho.

Receba nossas notícias direto no seu celular! Envie também suas fotos para a seção 'A cidade fala'. Adicione o WhatsApp da FOLHA por meio do número (43) 99869-0068 ou pelo link wa.me/message/6WMTNSJARGMLL1