O ex-governador Ney Braga teve o primeiro diagnóstico de câncer de próstata há três meses. A doença já estava em estágio avançado. Foi iniciado um tratamento hormonal, que fez com que o câncer tivesse uma leve retração. ‘‘Diminuiu, mas infelizmente não o suficiente’’, contou o reumatologista Eduardo Paiva, um dos dez médicos que acompanhavam o estado de saúde do ex-governador. Em agosto deste ano, Ney Braga foi internado com desidratação, provocada pela péssima alimentação. ‘‘Ele não queria mais comer. Estava se alimentando mal e bebendo pouco líquido’’, lembrou. Durante 15 dias, ele recebeu atendimento médico e foi liberado para casa, onde recebeu medicamentos para pressão e dor.
No último dia 3 de outubro, Ney Braga teve uma fratura espontânea do fêmur esquerdo e teve que ser submetido a uma cirurgia. Ele foi internado no Hospital Santa Cruz, no bairro do Batel, região nobre da cidade. Ele fez os exames pré-operatórios e recebeu uma prótese na perna esquerda. ‘‘Ele se recuperou bem da cirurgia. Achamos que logo estaria em casa. Mas ele acabou tendo uma série de complicações pulmonares e renais decorrentes do câncer que culminou com a morte’’, explicou o médico.
No final de semana, a equipe médica do ex-governador optou por aplicar sedativos mais fortes para evitar a dor. ‘‘Na verdade, a gente esperava que a morte acontecesse a qualquer momento. Estávamos apenas em compasso de espera’’, definiu o médico. Trabalharam na recuperação de Ney Braga equipes médicas especializadas em dor, nutrição, ortopedia, reumatologia, cardiologia, urologia e gastroenteorologia.(L.P.)