O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, não deverá encabeçar a militância petista em São Paulo amanhã porque a direção do partido decidiu que ele deve estar presente nas cidades em que o partido considera a disputa mais difícil. ‘‘A ausência do presidente de honra do partido em São Paulo foi opção do partido, já que em outras cidades, como Recife e Curitiba, a disputa é mais acirrada’’, justificou o deputado federal José Genoíno. (PT-SP).
Segundo Genoíno, o partido apostou que, em São Paulo, a candidata Marta Suplicy (PT), que disputa com Paulo Maluf (PPB) a Prefeitura de São Paulo, poderia ter as atividades encabeçadas por ele próprio, pelo senador Eduardo Suplicy (PT-SP) e, neste segundo turno, contar ainda com a presença de Luiza Erundina (PSB), candidata derrotada em São Paulo no primeiro turno e que declarou apoio a Marta.
Para o presidente do diretório municipal do PT, deputado federal Ricardo Berzoini, em São Paulo em nenhum momento a diferença entre Marta e Maluf chegou a ‘‘ameaçar’’ e, portanto, fazer com que a presença de Lula fosse indispensável.
O destino certo de Lula neste final de semana, no entanto, não é revelado pela cúpula petista. Segundo o presidente estadual do PT, Paulo Frateschi, Lula deverá ficar em estado de alerta para viajar para qualquer cidade em que o partido disputa este segundo turno. Entre as prioridades estão Campinas, Guarulhos, Curitiba, Caxias e Pelotas.
Se fosse votar, Lula o faria em São Bernardo do Campo. No entanto, na cidade não haverá segundo turno, já que Maurício Soares (PPS) garantiu a vitória no primeiro turno com 60,41% das intenções de voto. O candidato do PT, Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho, ficou em segundo lugar, com 35,51%.