Curitiba O ex-governador Jaime Lerner (PFL) divulgou ontem uma nota oficial em que nega que tinha prévio conhecimento das supostas operações irregulares realizadas pela Copel e na qual afirma que ''o denuncismo que tomou conta do Paraná'' é um processo político que tem o objetivo de ''desqualificar moral e administrativamente o governo anterior''.
''É inverídica a afirmação fornecida à imprensa pelo governador Roberto Requião de que ele teria me comunicado previamente sobre supostas irregularidades na venda de créditos de ICMS para a Copel. Em nossos contatos, durante o período de transição de governo, no final do ano passado, tal assunto nunca foi tratado'', afirmou.
Segundo Lerner, o único pedido do atual governo em relação à Copel foi o cancelamento de novos contratos de fornecimento de energia. ''Consultei o presidente da Copel (Ingo Hubert) sobre esta solicitação e decidimos atendê-la.'' O ex-governador ressaltou que as operações de vendas de créditos de ICMS à Copel é uma operação bastante comum.
Para Lerner, as denúncias e acusações divulgadas pelo governador Roberto Requião têm como ''fundamento principal o desejo da atual administração de promover processos sumários de condenação contra membros do governo anterior''. Ele completa a nota afirmando que aguarda, ''com serenidade, que os fatos sejam apurados a fundo, na esfera competente, e confio plenamente na isenção do Poder Judiciário, que saberá assegurar a supremacia da verdade e a Justiça''. Lerner não quis dar entrevista. (R.F.)