Documentos expedidos pela Justiça Eleitoral de Londrina mostram que o vice-reitor da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Marcio de Almeida não foi detido ou preso no dia 1º de outubro, durante a eleição do primeiro turno. Como atestam os documentos, houve um equívoco esclarecido ainda na manhã do dia 1º, em relação à presença dele nas proximidades do Colégio Vicente Rijo, onde votou.
O vice-reitor foi denunciado por um cabo eleitoral da Coligação Pra Frente Londrina (do candidato Farage Kouri – PFL) porque estaria fazendo boca de urna. Almeida reiterou perante o juiz eleitoral o esclarecimento já dado à denunciante, dizendo que havia, sim, transferido da sua camisa para a de um amigo o adesivo do movimento suprapartidário ‘‘Sou + Londrina. Sou Hauly’’. Ele afirma que fez isso atendendo ao pedido dessa amiga e não à sua revelia.
Conforme declaração por escrito do juiz eleitoral João Luiz Cleve Machado, Marcio Almeida e a denunciante estiveram com o magistrado no Ginásio de Esportes Moringão, no dia da eleição. O objetivo foi esclarecer o que acabou sendo por ele considerado como um mal entendido ou equívoco, conforme consta do seu despacho no Boletim de Ocorrência.
A assessoria jurídica da coligação Pra Frente Londrina também encaminhou documento à 190ª Zona Eleitoral, requerendo a desistência do pedido.