Heleno descumpre orientação do Ministério da Saúde e volta a despachar no Palácio do Planalto (1)


BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, não seguiu orientação do Ministério da Saúde para pessoas que contraíram o Covid-19 e voltou a despachar nesta quarta-feira (25) do Palácio do Planalto.

O general da reserva, que participou da comitiva presidencial aos Estados Unidos e tem 72 anos, realizou o exame clínico para a doença no dia 17 e obteve o resultado positivo no dia 18.



"Informo que o resultado do meu segundo exame, realizado no HFA [Hospital das Forças Armadas], acusou positivo. Aguardo a contraprova da Fiocruz. Estou sem febre e não apresento qualquer dos sintomas relacionados ao Covid-19. Estou isolado, em casa, e não atenderei telefonemas", escreveu Heleno em seu Twitter, em 18 de março.

Ao todo, ele se manteve em isolamento domiciliar por sete dias. A recomendação do Ministério da Saúde, no entanto, é de um afastamento por 14 dias.

Procurado pela reportagem, o GSI informou que o ministro recebeu autorização médica para retomar sua rotina de trabalh​o.

Além de Heleno, o chefe da ajudância de ordens​ da Presidência da República, major Mauro Cid, também voltou a despachar normalmente.

O militar estava presente na comitiva presidencial aos Estados Unidos. Ao todo, 23 pessoas que integraram a missão oficial tiveram resultado positivo para o coronavírus.

Na entrada do Palácio da Alvorada, nesta quarta-feira (25), o presidente disse que o ajudante de ordens permaneceu em repouso domiciliar.

Ao argumentar que pessoas mais jovens podem contrair o Covid-19 e não ter sintomas, Bolsonaro voltou-se a seu ajudante de ordens: "sentiu alguma coisa?​"

"Não senhor, presidente, nada. Fiquei em casa os 14 dias e não senti nada", respondeu Cid.

Foi o próprio Bolsonaro que divulgou que Cid também havia testado positivo. O anúncio, no entanto, ocorreu em 20 de março.

Nesta quarta-feira (24), em pronunciamento em cadeia nacional, o presidente criticou o fechamento de escolas e comércio para combater a epidemia.

Ele também atacou governadores do Rio e de São Paulo e culpou os veículos de imprensa pelo que considera clima de histeria instalado no país.

Ele afirmou que desde o início da crise o governo se preocupou em conter o "pânico e a histeria" e voltou a minimizar a gravidade do Covid-19, ao compará-lo a um "gripezinha" ou "resfriadinho".

A reação ao discurso foi de perplexidade entre deputados e senadores.



O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse que "o país precisa de uma liderança séria", responsável e comprometida com a vida e a saúde da sua população".​

Como você avalia o conteúdo que acabou ler?

Pouco satisfeito
Satisfeito
Muito satisfeito

Tudo sobre:


Continue lendo


Últimas notícias