Leandro Donatti
De Curitiba
Arquivo FolhaALVOGreca: acusações de bingueiro à revista ‘‘Istoɒ’ confirmam esquema de propinas no IndespO ministro do Esporte e Turismo, Rafael Greca (PFL), está literalmente no seu inferno astral. E não tem certeza se até março, quando completa 44 anos, estará à frente do ministério, cargo para o qual foi indicado no início do ano passado. A revista ‘‘Istoɒ’ desta semana traz novas informações sobre as denúncias nas quais Greca se envolveu.
Segundo a revista, na sexta-feira, o ministro da Justiça, José Carlos Dias, recebeu do Ministério Público cópia de uma fita gravada pela ‘‘Istoɒ’ em novembro passado, na qual o bingueiro Alejandro de Viveiros Ortiz, acusado de ter ligações com a máfia italiana, confirma um esquema de propinas no Instituto Nacional do Desporto (Indesp), autarquia vinculada ao ministério.
Alejandro de Viveiros Ortiz admite ter contribuído para uma ‘‘caixinha’’ que sustentaria a campanha do ministro ao governo do Paraná, em 2002. O suposto esquema de propinas, em troca da instalação de bingos, foi denunciado há meses pelo ex-presidente do Indesp e professor Manoel Tubino. Porém, nunca havia sido confirmado por um bingueiro.
Greca sempre negou que tivesse conhecimento das irregularidades. Mas a ‘‘Istoɒ’ volta a bater na tecla de que bingueiros confirmam desembolso médio de R$ 6,5 milhões em propinas para assessores e lobistas ligados ao ministro. Além da NeoJuegos, empresa de Alejandro, teriam participado do esquema a Franco, Fabama, IGT e Brasbin.
As negociações das propinas teriam sido intermediadas pelo advogado curitibano André Roberto Manfredini e pelo lobista Sérgio Buffara, irmão de Luiz Buffara. Este pediu exoneração do Ministério no auge das denúncias contra o Indesp, em outubro passado, alegando que precisava tratar-se de uma esclerose múltipla.
A fita foi anexada ao processo movido pelo Ministério Público Federal, conforme confirmaram na quinta-feira passada os procuradores Guilherme Zanina Schelb e Luiz Francisco de Souza à Comissão Mista da Câmara dos Deputados e Senado. José Carlos Dias teria requisitado a cópia a pedido do presidente Fernando Henrique Cardoso.
O presidente estaria preocupado com o clima desfavorável que cerca o ministério do paranaense. A declaração do presidente do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), dando conta que Greca não passa de abril, quando se comemora os 500 anos do Brasil, também contribuiu para o mal-estar do presidente da República, que estaria sendo pressionado pelos aliados a demitir Greca. As declarações de ACM foram dadas na semana passada.
A outra bomba da ‘‘Istoɒ’ envolve o Instituto Farol do Saber, empresa de Greca dirigida pela mulher, a presidenta da Fundação Cultural de Curitiba, Margarita Sansone. Diz a revista que o Ministério Público Federal suspeita de que Greca desviou R$ 600 mil, dos cofres públicos, para o instituto. O dinheiro faz parte de uma verba de R$ 1,6 milhão, autorizada pelo governo federal para a construção de um monumento em Curitiba, em comemoração aos 500 anos. Foi com base nesta suspeita, que os procuradores do Distrito Federal solicitaram a quebra de sigilo do instituto.
O ministro não deu declarações na reportagem da ‘‘Istoɒ’. Procurado ontem pela Folha para dar sua versão sobre as denúncias, a assessoria de Greca informou que ele não foi localizado.