Leandro Donatti
De Curitiba
O governo do Paraná conseguiu barrar a instalação de uma CPI estadual para investigar o narcotráfico e o crime organizado. Orientados pelo Palácio Iguaçu, os deputados da base aliada rejeitaram ontem, por 26 votos contra 17, requerimento da oposição instalando uma comissão parlamentar. Os governistas participaram em peso da sessão. A derrubada da CPI vinha sendo articulada há dias e só tomou corpo porque a oposição fracassou na coleta de assinaturas, conseguindo reunir 17 das 18 assinaturas necessárias para a instalação de uma CPI.
Os governistas Neivo Beraldin (PSDB), Beto Richa (PTB) e Augustinho Zucchi (PSDB) mantiveram posição e votaram com o PMDB, PT, e setores do PDT e PSDB, a favor de investigações. Algaci Túlio (PTB) absteve-se da votação. Chico Noroeste (PFL) – aquele que rabiscou em cima de sua assinatura no requerimento da oposição – sumiu. Já o restante da bancada aliada derrubou o requerimento. O líder do governo na Assembléia, Valdir Rossoni (PTB), conseguiu impedir ainda a votação nominal – solicitada pela oposição – o que colocaria os deputados ‘lerneristas’ numa posição política nada confortável.
A votação dos deputados foi acompanhada por um grupo de manifestantes ligados à família do estudante Rafael Zanella, assassinado em 1998 por policiais civis. A mãe do rapaz, Elizabeta Zanella, comandou o protesto. ‘‘A CPI era a esperança que nos restava. Essa história do governo dizer que vai punir exemplarmente os envolvidos é uma novela que já conheço. Um reprise’’.
A oposição criticou duramente a derrubada da CPI estadual e promete continuar buscando assinaturas, para reapresentar o pedido. ‘‘O governo errou’’, declarou Ângelo Vanhoni (PT).O deputado disse que vai tocar a CEI, mas ressaltou que os poderes de uma comissão especial são bem mais restritos que o de uma CPI. ‘‘Não temos poder para convocar, quebrar sigilos...’’, exemplificou o deputado petista. Vanhoni deu a entender que buscará uma parceria com a CPI nacional para impedir que as investigações da CEI acabem em ‘pizza’.
O líder do governo voltou a bater na tecla de que tudo não passa de uma questão de semântica. ‘‘CPI ou CEI. Os dois caminhos levam ao bom lugar. Basta determinação e vontade’’.