Falta apenas uma assinatura para a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado, que deverá investigar a evasão de divisas e possível lavagem de dinheiro através da agência do Banestado de Nova York, a partir de 96.
Conforme a senadora Ideli Salvati (PT-RO), autora do requerimento, até o final da semana, deve-se obter as 27 assinaturas necessárias para a instalação da CPI. ''Estou aguardando ainda a resposta de alguns senadores que estão consultando os partidos. O mais interessante é a receptividade que estamos tendo, inclusive com a assinatura dos três senadores do Paraná'', comemorou se referindo aos senadores Osmar Dias (PDT), Flávio Arns (PT) e Olivir Gabardo (PSDB), suplente de Alvaro Dias (PDT).
Apesar de garantir não haver nenhum impedimento para a CPI, a senadora ainda está reticente quanto ao número de assinaturas. ''Aqui ocorre uma coisa muito estranha. As pessoas podem assinar o requerimento e depois retirar. Por isso estou tentando mais assinaturas. A gente só acredita vendo''.
Conforme o regimento do Senado, após obter as 27 assinaturas, o requerimento deverá ser lido em plenário. Os onze senadores que farão parte da comissão serão escolhidos pelas lideranças partidárias.
O senador Osmar Dias também prefere esperar a confirmação da abertura da comissão. ''É preciso averiguar. Agora se vai ser instalada é outra história. Temos a experiência de outras CPIs que não foram instaladas por exemplo a CPI da Corrupção que foi o motivo da minha expulsão do PSDB'', disse.
Para Flávio Arns, a comissão servirá para apontar possíveis falhas na legislação, que permitiria o escoamento de dinheiro para o exterior. ''Com essa investigação poderemos aprimorar a legislação, criar mecanismos administrativos'', afirmou.
Sobre a iniciativa do deputado federal Eduardo Valverde (PT-RO), que também pretende montar uma CPI para investigar a evasão de divisas, Ideli disse não acreditar na formação de uma comissão mista. ''Teríamos que fazer uma boa discussão. Optamos por fazer só no Senado porque a Câmara vai estar inicialmente envolvida com as reformas. Tenho um pouco de preocupação com a mista: ou atrapalha a CPI ou o andamento das reformas'', justificou.
Na Câmara dos Deputados, ainda não se sabe quantas adesões foram contabilizadas para a instalação da CPI que vai investigar a evasão de divisas. Somente na terça-feira, foram 40 assinaturas. São necessárias cerca de 170. ''Estou aguardando a posição de meus pares para depois conversar com a senadora sobre a comissão mista'', disse Valverde.
O deputado José Janene (PPB), que garantiu que irá assinar o requerimento, acredita que a comissão mista é a única forma da Câmara iniciar a investigação imediatamente. ''Na Câmara esse requerimento vai entrar na fila que já tem outros 40 e, assim, nem daqui quatro anos isso vai ser investigado'', alertou.
A assessoria do deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB), vice-líder do partido na Câmara, garantiu que ele deverá assinar a CPI.