A concessão do Supremo aos magistrados federais provocou um movimento de protesto entre os juízes estaduais, que também querem receber o benefício. A Associação Paulista dos Magistrados (APM), que congrega 2.400 juízes, enviou ao TJ do Estado pedido cobrando a extensão do abono. A direção da entidade apóia a decisão do STF e entende que a liminar estabelece um parâmetro de correção de ganhos para a magistratura. No Rio, cerca de 100 juízes reunidos em assembléia organizada pela Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj) deflagraram um movimento pela extensão do benefício aos TJs, mas decidiram aguardar a decisão definitiva do STF sobre a legalidade do abono aos federais antes de apresentar uma reivindicação oficial.