O promotor José Aparecido Cruz materializou na ação civil pública por improbidade administrativa contra o ex-secretário da Fazenda de Maringá, Luiz Antônio Paolicchi, o que ‘‘todo mundo sabia, mas ninguém afirmava’’. Funcionário de carreira da Prefeitura de Maringá, Paolicchi se firmou com maior autoridade na Secretaria da Fazenda, a partir das três últimas gestões – de Ricardo Barros (PPB), Said Ferreira (sem partido) e Jairo Gianoto (PSDB). Ele era tido como ‘‘um especialista’’ na área, e por isso, se mantinha no cargo.
Nos últimos três anos, a comunidade de Maringá passou a acompanhar o enriquecimento rápido do ex-secretário com maior ‘‘nitidez e espanto’’. O assunto passou a ser corrente nas rodas da cidade. A acusação formal de desvio feita pelo MP e o próprio ‘‘sumiço’’ de Paolicchi se transformam, agora, no tema preferido de Maringá.
‘‘Às vezes dá impressão de um sentimento de vingança coletivo por causa do destino que estava tomando o dinheiro do contribuinte’’, exaltam comentários mais críticos. Uma parte das pessoas discute o fato do enriquecimento não ter sido investigado com ‘‘maior antecedência’’, mas uma grande maioria se mostra feliz pela providência tomada pelo MP, que tenta desta forma cortar e até evitar raízes de corrupção na administração pública de Maringá. (M.M.)