Em Terra Roxa, cassado tenta voltar ao cargo Gerson da Luz Souza De Cascavel Especial para a Folha O ex-prefeito de Terra Roxa (132 quilômetros ao norte de Cascavel), Ricardo Luzetti (PFL), cassado sob acusação de improbidade administrativa, aguarda para os próximos dias uma decisão da Justiça sobre mandado de segurança que impetrou na tentativa de ‘‘derrubar’’ a cassação. Ele questiona a legalidade do processo que resultou em seu afastamento, alegando que a Comissão Processante atuou no período de recesso legislativo. Enquanto Luzetti aguarda a decisão judicial – já negada uma vez, quando tentou impedir a realização da sessão da Câmara de Vereadores que resultou na cassação – uma auditoria fiscal está sendo feita para apurar a possibilidade de existência de outras irregularidades. Luzetti foi cassado sob acusação de ter contratado, pela prefeitura, uma empresa intermediadora de publicidade formada, através de prepostos, por parentes dele, recebendo comissão de até 50%, enquanto a licitação previa 17%. O caso levou o Ministério Público a formalizar a denúncia, que está tramitando na Justiça. A cassação teve circunstância inusitada. O ex-prefeito relutou em sair da prefeitura, exercendo o cargo ilegalmente por alguns dias, mantendo inclusive consigo a chave do gabinete. Ele só deixou o cargo por interferência do juiz Emil Gonçalves, que enviou oficiais de Justiça, acompanhados por policiais militares, que exigiram que Luzetti deixasse o gabinete.