|
  • Bitcoin 101.823
  • Dólar 5,3317
  • Euro 5,5610
Londrina

Política

Atualizado em 22/06/2009, 23:00

Em Congonhinhas, Lula discursa mirando em 2010

PUBLICAÇÃO
segunda-feira, 22 de junho de 2009

Erika Zanon<br> Reportagem Local
AUTOR autor do artigo

menu flutuante

O pre­si­den­te ­Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va ‘‘­mirou’’ em 2010 on­tem em Con­go­nhi­nhas, no Nor­te Pio­nei­ro do Es­ta­do, ao dis­cur­sar no as­sen­ta­men­to de re­for­ma agrá­ria do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Ter­ra (MST) Rob­son Viei­ra de Sou­za, na so­le­ni­da­de de ins­ta­la­ção de nú­me­ro ­dois mi­lhões do Pro­gra­ma Luz Pa­ra To­dos (LPT). Em tom po­pu­lis­ta e elei­to­rei­ro, Lu­la res­sal­tou a im­por­tân­cia de se fa­zer ­obras pa­ra o po­vo e do quan­to is­so de­mo­rou pa­ra ser rea­li­za­do no ­País. A mi­nis­tra da Ca­sa Ci­vil, Dil­ma Rous­seff, - pré-can­di­da­ta à su­ces­são pre­si­den­cial pe­lo PT - acom­pa­nha­va o pre­si­den­te e, as­sim co­mo ele, foi bas­tan­te ova­cio­na­da pe­las cen­te­nas de pes­soas pre­sen­tes à so­le­ni­da­de.
  ‘‘Quan­do se apli­ca di­nhei­ro em coi­sas pa­ra os po­bres, di­zem que é gas­to. Mas se for pa­ra os ri­cos, é in­ves­ti­men­to. Po­rém, is­so não é ­verdade’’, afir­mou Lu­la du­ran­te o dis­cur­so, de­fen­den­do ­seus pro­je­tos so­ciais e, prin­ci­pal­men­te, o LPT, no ­qual fo­ram apli­ca­dos cer­ca de R$ 9,8 bi­lhões - com aju­da dos go­ver­nos es­ta­duais.
  ‘‘Com ener­gia elé­tri­ca, ­quem vi­ve na zo­na ru­ral tem a opor­tu­ni­da­de de ter não ape­nas uma ge­la­dei­ra, mas tam­bém ­usar ma­qui­ná­rios pe­sa­dos que aju­dam no tra­ba­lho da ­propriedade’’, acres­cen­tou o pre­si­den­te, ci­tan­do co­mo exem­plo a ca­sa on­de fez a li­ga­ção do LTP. ‘‘Ago­ra, ­aqui, ­eles po­dem ­usar a má­qui­na de ­moer ca­na e di­mi­nuir o tra­ba­lho ­braçal’’, ci­tou.
  Os in­ves­ti­men­tos pa­ra a ca­ma­da ­mais po­bre da po­pu­la­ção, com­ple­men­tou o pre­si­den­te, de­mo­rou a acon­te­cer no Bra­sil por­que mui­ta gen­te que ad­mi­nis­trou o ­País an­tes não en­ten­dia as ­suas di­fi­cul­da­des. ‘‘As pes­soas que nun­ca mo­ra­ram nu­ma ca­sa sem luz, não sa­bem o que é is­so. A luz até che­ga­va no ­meio ru­ral, mas na ca­sa da fa­zen­da, e pas­sa­va lon­ge da ca­sa do ­pobre’’, dis­se, des­ta­can­do que es­sa era uma das prio­ri­da­des de seu go­ver­no. ‘‘O gran­de fei­to do nos­so go­ver­no foi co­lo­car o po­bre na me­sa de ­negociações’’, afir­mou.
  O pre­si­den­te ob­ser­vou que não se­rá pos­sí­vel fa­zer tu­do até o fi­nal do seu man­da­to, mas ‘‘­orientou’’ ­seus elei­to­res. ‘‘Se a gen­te acer­tar nos po­lí­ti­cos que a gen­te vai vo­tar, a gen­te tem chan­ce de me­lho­rar as coi­sas ain­da ­mais, por­que nes­te ­País exis­tem to­das as con­di­ções de me­lho­rar.’’ Ao fi­nal de seu pro­nun­cia­men­to, Lu­la que­brou o pro­to­co­lo e cum­pri­men­tou al­gu­mas pes­soas.
  O dis­cur­so do pre­si­den­te foi fei­to pe­ran­te de­ze­nas de in­te­gran­tes do MST, que o apoia­ram e o acla­ma­ram a ca­da de­cla­ra­ção. ‘‘A re­for­ma agrá­ria é a prin­ci­pal me­di­da so­cial de in­te­gra­ção e de­sen­vol­vi­men­to ­humano’’, dis­se Jo­sé Da­mas­ce­no, coor­de­na­dor do MST no Es­ta­do. Se­gun­do ele, atual­men­te exis­tem 18 mil fa­mí­lias as­sen­ta­das no Pa­ra­ná.
Luz no assentamento
  No as­sen­ta­men­to Rob­son Viei­ra vi­vem 39 fa­mí­lias que ti­ve­ram aces­so à ener­gia elé­tri­ca on­tem. Na re­si­dên­cia do ca­sal ­Odair Sar­tor e Il­va Bon­fim Si­mão, que vi­viam no lo­cal há ­seis ­anos sem ele­tri­ci­da­de, a ale­gria era imen­sa. Foi lá que o pre­si­den­te Lu­la fez a li­ga­ção de nú­me­ro ­dois mi­lhões do LPT.
  ‘‘Foi mui­to di­fí­cil fi­car to­do es­se tem­po sem ener­gia. O ­mais im­por­tan­te é que ago­ra vou po­der ­usar a ge­la­dei­ra. An­tes, ti­nha que fa­zer a quan­ti­da­de exa­ta de re­fei­ção por­que não po­dia ­sobrar’’, dis­se­ram os ­dois. Il­va fi­cou emo­cio­na­da ao ver o pre­si­den­te. ‘‘Ele en­trou em ca­sa, me deu a mão, me abra­çou, até ­abriu a ge­la­dei­ra. Foi uma emo­ção mui­to gran­de, nun­ca ima­gi­nei que um dia o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca es­ta­ria den­tro da mi­nha ca­sa.’’