O senador Roberto Freire, presidente nacional do PPS, disse ontem, em Curitiba, que ‘‘administrar bem’’ as cidades onde o partido dele, coligado ou não com o PT, elegeu prefeitos vai funcionar como um ‘‘cartão de visitas’’ dos dois partidos para a próxima eleição, em 2002. ‘‘Os prefeitos não podem ser apenas gerentes, têm que superar as desigualdades sociais. Nós (PPS e PT) temos objetivos comuns para transformar a dura e injusta sociedade brasileira’’, salientou.
Partidário de que essa coligação seja mantida para a próxima eleição presidencial, o senador afirmou que seria ‘‘ótimo’’ se os dois partidos pudessem caminhar juntos desde o primeiro turno do próximo pleito. ‘‘Temos concepções diferentes de sociedade. Mas saímos unidos num bloco forte da eleição municipal’’, argumentou. Freire esteve ontem em Curitiba para participar de um ato público promovido pelo partido, em apoio ao candidato Ângelo Vanhoni (PT), que disputa o segundo turno em Curitiba, tendo como candidato a vice-prefeito José Maurino (PPS).
Hoje o senador pernambucano estará em Londrina, onde também participará de atividades da campanha do candidato Nedson Michelleti (PT), que tem como candidato a vice-prefeito Luiz Carlos Bracarense (PPS). Liderado no Paraná pelo deputado federal Rubens Bueno e, no Brasil, pelo presidenciável Ciro Gomes, o PPS conseguiu eleger 270 candidatos em 141 municípios paranaenses – são 15 prefeitos, 28 vice-prefeitos e 216 vereadores.
Freire avalia que na vitória da ‘‘esquerda independente’’ esses números ‘‘não contam’’. ‘‘Formamos uma aliança pela base dos dois partidos; a sociedade nos ligou. Se as direções nacionais do PPS e do PT – que, no começo da campanha, é preciso lembrar, não queria coligar-se a nós –, continuassem discutindo essa possibilidade até agora (no segundo turno), o PFL sairia ganhando tudo.’’ O senador aposta que o PPS vai vencer as eleições municipais (com candidatos próprios ou coligados ao PT – em alguns casos até com o PSDB) em Curitiba, Londrina, Goiânia (GO), Manaus (AM) e São José do Rio Preto (no interior de São Paulo). (R.B.N.)