Deputados federais podem criar CPI do caso Pitta Arquivo FolhaMercadante: ‘‘Não fizemos estardalhaço para impedir manobras dos governistas’’ Agência Estado De Brasília Um total de 101 deputados do PPB, PSDB, PFL, PMDB e PTB assinou o projeto da oposição que determina a criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) na Câmara Federal para investigar as denúncias feitas pela ex-primeira dama São Paulo, Nicéa Pitta. Eles contrariaram a orientação dos líderes da base governista. A oposição conseguiu reunir 226 assinaturas, 55 a mais do que o necessário para a apresentação da proposta, anteontem à noite. A expectativa dos partidos de esquerda é que o plenário da Câmara vote o projeto e um requerimento para a tramitação ocorrer em regime de urgência na próxima semana. Um grupo de cinco parlamentares do PPB, partido do ex-prefeito Paulo Maluf e legenda que abrigava há pouco tempo Celso Pitta, subscreveu o projeto. Os dois são os principais alvos das acusações feitas por Nicéa. O líder do PT na Câmara, Aloízio Mercadante (SP), disse que foi preciso ‘‘trabalhar em silêncio’’ para conseguir o apoio de 226 deputados. ‘‘Não quisemos fazer estardalhaço para impedir a manobra governista, mas não sentimos nenhuma influência das lideranças na base’’, afirmou o petista. Os líderes que apóiam o presidente consideram que a atribuição para a apuração do caso é da Câmara Municipal de São Paulo e não da dos Deputados. A oposição terá de vencer ainda dois obstáculos: conseguir mais 31 apoiadores do projeto para que ele tramite em regime de urgência e anular a estratégia da base governista de derrotar a proposta em votação no plenário.