O presidente do Congresso, senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), afirmou ontem que a concessão do auxílio-moradia aos juízes federais e trabalhistas vai criar ‘‘o caos financeiro’’ no País porque outras categorias vão exigir o mesmo tipo de benefício. Segundo ele, a situação ficará insustentável diante das reivindicações que passarão a ser feitas por outras categorias. ‘‘Se isso permanecer, nós vamos ter o caos financeiro através das reivindicações, que, dificilmente, poderão ser atendidas’’, previu.
Quando deu essas declarações, no início da tarde de ontem, ACM mostrava-se confiante quanto à decisão do STF de revogar a liminar que garante à categoria o auxílio de até R$ 3 mil. ‘‘Tenho certeza que o Supremo, no momento em que revogar essa liminar, vai receber aplausos dos Brasil inteiro’’, argumentou.
O senador também deu a entender que o governo estaria articulando uma saída para atender aos juízes e encontrar um valor consensual do salário mínimo. ‘‘Tenho a impressão que, nessas próximas horas, pode acontecer alguma coisa em relação a esses assuntos’’, frisou.
‘‘É indispensável que o abono caia’’, insistiu. ‘‘Tenho certeza que o Supremo vai rever essa posição para dar ao País mais um exemplo da sua ação digna e sempre correta.’’ ACM anunciou que vai discutir com parlamentares a melhor forma de agir no Congresso para derrubar esse benefício. ‘‘Agora é óbvio que todos viram que nunca houve no País uma unanimidade como essa contra o auxílio-moradia’’, constatou.