Cláudio Humberto De Brasília Cláudio Humberto Rosa e Silva E-mail: [email protected] www.claudiohumberto.com.br ‘‘Muda-se tudo ou não se muda nada’’ (De Eduardo Frei, que passa a presidência do Chile a Ricardo Lagos para ser senador vitalício, como Pinochet) Deputado puxador Além de ser réu em quase 200 processos, sobretudo de corrupção, o deputado- bandoleiro Paulo Marinho (PFL-MA) tinha em seu poder um automóvel surrupiado da Prefeitura de Caxias. Nesta sexta, cinco policiais cumpriram o mandado de busca e apreensão expedido pelo juiz Milton Bandeira de Lima, e recuperaram o Gol 1000, placa HOO 1335. Estava escondido na garagem de Marinho. Ele também é acusado de envolvimento em roubo de um caminhão Scania. Fraude eletrônica Leonel Brizola vai iniciar uma cruzada contra o sistema eletrônico de votação e apuração adotado pela Justiça Eleitoral, pelo menos até que sua confiabilidade seja inquestionavelmente demonstrada. Brizola já tinha lá suas desconfianças quanto à possibilidade de fraudes, mas agora tem certeza: há dias, durante vôo entre Porto Alegre e Rio de Janeiro, um especialista em informática se sentou ao seu lado e deu uma explicação tão didática quanto aterradora sobre a grande maracutaia que pode estar por trás (e por dentro) da urna eletrônica. Fala o cidadão O especialista que conversou com Brizola sobre voto eletrônico é Gilberto Serodio, empresário de informática que conheceu bem o odor das entranhas do poder e hoje quer distância de Brasília. Estudioso do assunto, Serodio está tão convencido da vulnerabilidade do sistema a fraudes que resolveu exercer sua cidadania: prepara-se para ingressar, na Justiça, com uma representação contra a engenhoca que já consumiu (sem justificativa) mais de 400 milhões de dólares do Tesouro. Caça-bandido ‘‘Barriguinha’’ e ‘‘Sujeirinha’’ são os mandachuvas da Favela Paraguai, que o governador Mário Covas visitou hoje. Sugestivo. Mentira em juízo A 2ª Vara Federal de Brasília reconsiderou a decisão que determinava a demissão imediata de 114 contratados temporários da Agência Nacional do Petróleo (ANP) baseado numa informação mentirosa: o juiz acreditou na ANP, que garantiu já estar tramitando no Congresso um projeto de lei sobre a gestão de recursos humanos nas agências reguladoras. Mentira: o projeto só seria enviado a 28 de fevereiro, doze dias depois. Trem da alegria Brasilino Pereira dos Santos, o mesmo procurador da República que exige da ANP o respeito ao princípio constitucional do concurso para ingresso no serviço público, também ajuizou ação civil pública e de improbidade contra a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que deseja contratar 150 pessoas com base no ‘‘exame dos currículos’’. Alega-se também ‘‘emergência’’, como no caso do primeiro-genro David Zylberstajn, da ANP, para esconder mais um autêntico trem da alegria. Jogo de cena Enquanto recebia dirigentes da Ambev e da Kaiser, para tentar um acordo que cessasse a guerra das cervejarias, o ministro Alcides Tápias ordenou que, no mesmo horário, o seu secretário-adjunto Reginaldo Arcuri entregasse solenemente ao Cade o parecer do Ministério do Desenvolvimento sobre a fusão. Que, como todos já sabiam, é favorável à Ambev. Baile de máscaras O ministro Tápias declarou não ter ido à festa de aniversário de seu amigo Marcel Telles, co-presidente da Ambev, ‘‘para não gerar intriga’’. Mas esqueceu de advertir Reginaldo Arcuri, o portador do parecer ao Cade, para que fizesse o mesmo e não se esbaldasse no camarote da Número 1 na Marquês de Sapucaí, como os inimigos dizem que ele fez, na noite de segunda. A face do corvo Foi muito interessante a entrevista de Gesner de Oliveira, presidente do Cade, a Míriam Leitão, na ‘‘Globonews’’. Vestido totalmente de preto, o presidente do Cade parecia um personagem de Zé do Caixão: uma mancha negra no vídeo, de onde se sobressaía um rosto pálido em meio a tanta escuridão. Quem não viu, perdeu um espetáculo e tanto. De embromação no falar e de mau gosto no vestir. Distribuição injusta Os cinco Estados com o maior PIB (SP, RJ, MG, RS e PR) abocanharam 73% dos recursos do salário-educação liberados nesta sexta (10) pelo ministro paulista da Educação, Paulo Renato Souza. Dos R$ 217,4 milhões depositados na conta das secretarias estaduais de Educação, R$ 160,2 milhões foram destinados para esses estados. São Paulo embolsou, sozinho, com R$ 91,4 milhões, o equivalente a 42% do total. Esta quantia supera a soma de todos os Estados das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. A região Norte ficou com 2,7% dos recursos, o Nordeste com 12,4% e o Centro-Oeste com 5,9%. Intrigas e vingança Hebe Romano, conselheira do Cade, esclarece que ingressou no serviço público no governo Sarney, ao contrário do que afirmam os seus adversários, e negou as informações que a colocam no centro de inúmeras intrigas e denúncias nunca comprovadas, nas áreas de defesa econômica e do meio ambiente. Ela acha que tudo não passa de vendetta de quem que se sentiu prejudicado pelo seu trabalho. Mentirinha carioca Nesta segunda estará na mesa do secretário de Segurança do Rio, Josial Quintal, um ofício pedindo que esclareça se Rafik Louzada, chefe de sua Polícia Civil, disse ou não que policiais do Mato Grosso do Sul protegem o supertraficante Fernandinho Beira-mar. Quintal já ligou, pedindo desculpas pelo subordinado, que não teria dito o que disse, mas o chefe da Polícia do MS, Ivan Lacerda, revelou a esta coluna que espera uma retratação. Segundo ele, os policiais do Rio receberam todo o apoio e que, oficialmente, jamais foi solicitada a prisão do traficante. O PODER SEM PUDOR Suculenta atmosfera O falecido escritor paraibano Maurílio de Almeida publicou um ótimo livro sobre a viagem de D. Pedro II à cidade de Mamanguape, antiga capital do seu Estado. Ele conta no livro que um fazendeiro simples ofereceu um almoço ao imperador. Após a refeição, Pedro II foi até o amplo terraço da fazenda, de onde se via um imenso laranjal. Fazia um calorzão dos diabos e D. Pedro resolveu jogar conversa fora, com o anfitrião: – A atmosfera, hoje, está carregada... O fazendeiro não deixou o Imperador sem resposta: – O senhor não viu nada, excelência. Naquelas laranjeiras nasce cada atmosferão do tamanho de uma jaca. D. Pedro II caiu na risada.