Cláudio Humberto De Brasília Cláudio Humberto Rosa e Silva E-mail: [email protected] www.claudiohumberto.com.br ‘‘Na hora de discutir o mínimo, temos uma cara; na hora do teto, outra’’ (Do senador Pedro Simon, envergonhado com a elevação do teto máximo) Gasta, TSE O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) continua gastando por conta das eleições de outubro. Primeiro foi um contrato no valor de R$ 7,4 milhões para o fornecimento de kit lanches; agora, o TSE contratou por R$ 6 milhões um certo Instituto Superior de Administração, com sede em Manaus (AM), para a ‘‘gestão dos meios de comunicação e publicidade nas eleições’’, nome pomposo para o serviço de assessoria de imprensa. Qualidade de vida Respectivamente secretário e subsecretário de Meio Ambiente de Niterói (RJ), Fernando Guida e Rogério Rocco pediram garantias de vida à Secretaria de Segurança Pública do Estado, pois foram ameaçados de morte pelo telefone, após pedirem um chaveiro para abrir os portões da Secretaria, trancados com correntes e cadeados. Um ambientalista foi assassinado mês passado e o crime continua impune. Fernando e Rogério atribuem as ameaças ao combate contra o desmatamento e ocupação clandestina em áreas de preservação. Cambraia papocou O deputado Antônio Cambraia, ex-prefeito de Fortaleza, trocou o PMDB pelo PSDB, certo de que seria o candidato de Tasso Jereissatti para enfrentar o ex-padrinho Juraci Magalhães, a quem deve tudo na vida, pois não passava de desconhecido engravatado do extinto BNH. O fato provocou foguetório, mas a rã, que sonhava ser boi, como na fábula, papocou: não é o candidato, nem foi ouvido para nada. Galeguim apóia Patrícia, ex Ciro Gomes, deixando o ex-prefeito pendurado na brocha. Pior: em 2002 sem Juraci, dificilmente se reelegerá. Camelôs reais Não está acontecendo numa cidade brasileira, mas em frente ao Palácio de Buckingham, em Londres. Vendedores de cachorro-quente desafiam Sua Majestade, que mandou expulsá-los das redondezas, com seus molhos fedorentos, barulho e algazarra de clientes. Os londrinos estão divididos. Uns acham que Elizabeth II está certa, é mesmo ‘‘disguting’’; outros adoraram a idéia de comer rápido e barato. Os barraqueiros vivem agora em guerra contra os ‘‘rapas’’ locais. Ainda não acabou A multinacional Texaco esclarece que até agora não vazou uma gota sequer da balsa Miss Rondônia, que afundou com 1,8 milhão de litros de óleo perto de Belém, no Pará. Através de bombeamento e de uma barreira de sacos de areia, o combustível está sendo transferido para outra balsa. Duas empresas estrangeiras já estão em Barcarena para prevenir qualquer desastre, afirma a Texaco. É bom mesmo, porque ambientalistas brasileiros e do exterior estão atentos, pois ainda restam 400 mil litros de óleo, a balsa terá que flutuar, enfim, houve mudança de planos. O que envolve riscos. Fome de lucro O deputado Oliveira Filho (PPB-PR) quer o Cade investigando as ações no Brasil do grupo português Sonae, que estaria praticando cartelização, enriquecimento ilícito e remessas de lucros sem qualquer reinvestimento no País. O Sonae comprou diversos supermercados no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo e hoje tem uma rede de mais de 170 estabelecimentos. No Espírito Santo é o Carrefour que está dando as cartas, com práticas abusivas e abocanhando irregularmente o mercado. Qualquer dia vão criar a CPI dos Supermercados.... Abril está chegando Se o porta-aviões francês Foch der muito na pinta pelo preço, o governo tem duas opções para trocar de Belo Antônio, substituindo o Minas Gerais. O também francês Clemenceau, de 32 mil toneladas, e o tailandês Chakkri Naruebet, bem mais baratinho: US$ 300 milhões. O problema é que o tailandês só opera com aviões Sea Harrier ou Harrier II. Mas para quem já pensou em comprar o porta-aviões nuclear De Gaulle por US$ 1.3 bi, até que o Foch não é tão escandaloso assim. Alô, ambientalistas O ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, está plantando afirmações favoráveis aos alimentos transgênicos, aqueles geneticamente modificados, que vêm causando o maior bafafá no mundo todo. No Rio Grande do Sul, terra do ministro, eles estão proibidos. Para guardar A última entrevista realizada por Giba Um no seu talk show da Rede Mulher, em São Paulo, foi com o embaixador e imortal Roberto Campos. Dias depois ele seria hospitalizado com problemas de saúde. A entrevista é preciosa: nela, Campos não deixou pedra sobre pedra. Giba trombou com a direção da emissora porque se recusou a submeter sua lista de convidados à prévia aprovação superior. Portuga enrascado Desespera-se o português Fernando Sotto, representante do grupo norueguês Acker. Ao chegar no Brasil, ele se instalou na Marítima, que na época dava as cartas na Petrobras. Como o dono da empresa, German Efromovitch, associou-se a Omar Resende Peres no Estaleiro Mauá, Sotto acreditou estar no paraíso. Mas aí Joel Rennó foi defenestrado da estatal, a Marítima se viu sem padrinho e Sotto num mato sem cachorro. E o grupo norueguês perde as esperanças de se instalar no Brasil. Alto QI Quem tem padrinho não morre pagão e ainda dá uma passadinha antes na presidência da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Joaquim Manoel Guedes de Oliveira foi indicado pelo PPB, num abaixo-assinado ao ministro da Agricultura, Pratini de Morais. Assinam o ofício 173/99 os ilustres deputados Celso Russomano, Delfim Netto, Jair Bolsonaro, Augusto Farias, Arnaldo Faria de Sá e Eurico Miranda. Emprego à vista Estão abertas até 15 de abril as inscrições para o concurso para pesquisadores do Museu Emilio Goeldi, do Ministério da Ciência e Tecnologia. Os editais foram publicados no DO de 17 de fevereiro. São sete vagas, que exigem mestrado ou doutorado. Telefones para maiores informações: (91) 249-7778 (direto), (91) 249-1233, ramais 203 e 204. O PODER SEM PUDOR Em casa, à vontade Ex-interventor de Minas, Benedito Valadares não se incomodava em receber, em sua própria casa, quem quer que o fosse procurar. Certa vez, bateram em sua porta duas freiras. As santas senhoras queriam alguma doação para obras de caridade. Após as freiras serem anunciadas, a mulher do político o advertiu: - Você não pode receber as freiras assim, com esse pijama velho. Vai logo tirar isso, que não serve para receber visitas. Valadares foi se trocar, enquanto sua esposa fazia sala para as freiras: - Fiquem à vontade, senhoritas. O Benedito não demorará muito. E não demorou mesmo: pouco depois, aparecia sorridente na sala, vestindo um pijama novinho em folha, mais à vontade que as freiras.