Derrocada dos Correios chegou pelas mãos do PT
A grave crise vivida nos Correios se estabeleceu em 2011, quando o militante petista Wagner Pinheiro presidia a empresa. O lucro líquido do primeiro semestre daquele ano foi de R$ 500 milhões, ainda decorrente da gestão anterior. Mas, a partir de então, o inchaço pode até ter engodado o caixa das entidades sindicais, mas levou os Correios a registrarem prejuízo bilionário pela primeira vez em sua história.

Distribuindo escassez
Em 2011, os Correios distribuíram R$ 89,5 milhões como "participação de lucros" aos funcionários da empresa, que hoje totalizam 108 mil.

A ruína se estabeleceu
Em 2015, último ano de Pinheiro no comando, os Correios registraram o maior prejuízo da história da empresa: R$ 2,1 bilhões.

Incompetência
Em 2011, estudos da estatal indicavam que a capacidade de entregar as correspondências se esgotariam em um ano e meio. Nada foi feito.

Só podia dar prejuízo
Na campanha de 2014, Pinheiro foi visto várias vezes longe do seu local de trabalho, fazendo campanha para o PT fora de Brasília.

PP troca delegado que acabou cartório bilionário
A decisão do delegado federal Elmer Coelho Vicenzi de pôr fim ao monopólio da poderosa empresa B3/Cetip, no registro obrigatório de contratos de financiamento de veículos, pode ter determinado sua substituição pelo advogado paraibano Maurício Pereira na direção do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito). Pereira é paraibano como o líder do governo na Câmara, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP).

Mexeu num vespeiro
Foi corajosa a decisão de Elmer Vicenzi de acabar o monopólio, apesar da forte influência da B3/Cetip em Brasília, desde os governos do PT.

Decisão elogiada
A decisão do ex-diretor do Denatran foi muito elogiada porque acabou o monopólio, na verdade um cartório, e abriu o mercado.

Muito dinheiro em jogo
Após o registro dos contratos, negócio de R$ 500 milhões ao ano, a B3/Cetip temia perder também o monopólio dos gravames (R$ 1 bilhão).

Plenário deve confirmar
O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, acredita que o plenário do Supremo Tribunal federal (STF) vai referendar a liminar do ministro Gilmar Mendes que suspendeu a condução coercitiva – que, segundo ele, não tem qualquer previsão legal ou constitucional.

Um predestinado
O prefeito de Cabo de Santo Agostinho (PE) está sendo investigado por desvio de dinheiro do fundo de pensão dos funcionários municipais. O nome do prefeito do PSB é duplamente pesado: Lula Cabral.

Preto no branco
Omar Peres (ou Catito Peres), apontado como pré-candidato do PDT ao governo do Rio, fechou acordo com o dono da marca Jornal do Brasil, Nelson Tanure, e o JB velho de guerra volta a ser impresso em fevereiro. Deve imprimir diariamente na gráfica rival histórico O Globo.

TSE vai mudar
O ministro Luiz Fux assume em fevereiro a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e já decidiu alterar o horário das sessões de quinta-feira. Em vez de à noite serão realizadas na parte da manhã.

Quanta maldade
O maior problema para regulamentação do lobby segundo profissionais de relações institucionais, é que o projeto, datado de 2007, adquiriu antipatia adicional por ser do deputado Carlos Zarattini (PT-SP).

Dia do Reginaldo Rossi
Dia Municipal do Brega poderá ser comemorado em Recife em 14 de fevereiro, segundo projeto do vereador Wanderson Florêncio (PSC). É o dia de nascimento do saudoso cantor recifense Reginaldo Rossi.

Novo partido
A deputada Tereza Cristina (MS), que foi líder do PSB na Câmara, filiou-se ao DEM, pelas mãos do partido na Câmara, Rodrigo Maia, e o aval do líder do partido, Efraim Filho (PB).

Olho no vice
Faltam 292 dias para a eleição 2018, quando serão definidos deputados estaduais e federais, senadores, governadores, além do novo presidente. E é bom lembrar: seu vice também.

Pensando bem...
...liberando certos presos às vésperas das Festas, a Justiça às vezes dá a impressão de confundir indulto com insulto natalino.

Imagem ilustrativa da imagem CLÁUDIO HUMBERTO



PODER SEM PUDOR

Buchada e gentileza dão votos
Em 1986, Miguel Arraes voltaria ao governo de Pernambuco derrotando um jovem político, José Múcio Monteiro, atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). O adversário Roberto Magalhães, ex-governador, ajudava o adversário com sua falta de vocação para fazer agrados. Reza o folclore político que, em Quipapá, a mulher do prefeito, dono dos votos da região, recebeu feliz o ex-governador:
- Dr. Roberto, passei a noite preparando uma buchada para o senhor!
- Pois fez muito mal, minha senhora. Não como isso. A senhora espere o dr. Arraes passar aqui com sua corja de comunistas e ofereça a eles.
Arraes venceu em Quipapá. E em todo o Estado.

Com André Brito e Tiago Vasconcelos
www.diariodopoder.com.br