São Paulo - O ex-presidenciável Ciro Gomes (PDT) deu um tapa no rosto de um homem após ser provocado durante um evento em Fortaleza, na noite deste domingo (3). O vídeo foi revelado pelo jornal cearense O Povo. "Diz para nós como é que rouba a população sem ser preso", perguntou o homem a Ciro, enquanto seguia filmando.


A gravação mostra que Ciro Gomes respondeu a essa primeira provocação sem se exaltar. "Quem deve saber isso é bandido, eu não sou, não", afirmou Ciro.


Em seguida, o homem acusou o pedetista de ser "bandido": "Tu é bandido". Ciro Gomes reagiu à segunda provocação com um tapa no rosto do homem. No vídeo, não é possível ver o momento do tapa devido à movimentação do celular, mas o próprio Ciro reconhece na sequência do vídeo.

"Tu deu na minha cara, seu racista?", questionou o homem.

Ciro Gomes respondeu que "sim" e justificou que a agressão é para o jovem aprender a respeitá-lo. "Dei (...) para você aprender a me respeitar", disse Ciro.

No vídeo, o provocador ainda diz que vai chamar a Polícia Militar. "Ciro Gomes deu na minha cara". O UOL procurou as polícias Militar e Civil para saber se a vítima prestou queixa, mas não houve retorno.

O UOL também procurou Ciro Gomes, via assessoria de imprensa, mas não houve retorno. O espaço segue aberto para manifestação.

OUTROS CASOS

Ciro Gomes acumula outra série de entreveros ao longo da carreira política.


Agressão a apoiador de Bolsonaro
Em abril de 2022, quando Ciro era pré-candidato à Presidência, em uma feira agrícola em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo), e discutia com apoiadores de Jair Bolsonaro (PL). Ele foi abordado por um homem que o filmava com um celular. Depois de falar algo com ele, Ciro tentou dar um soco em seu abdome. Na época, o político afirmou em nota que foi insultado, sofreu tentativas de agressão física e " reagiu à altura". Na ocasião, ele chamou Bolsonaro de "nazista e "ladrão de 'rachadinha'", enquanto pessoas no evento chamavam o ex-presidente de "mito".


Empurrão a manifestante
Em 2014, enquanto ainda era secretário da Saúde do Ceará, Ciro Gomes foi filmado empurrando um manifestante durante a inauguração de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) em Fortaleza. Na gravação, Ciro aparece partindo para cima de um homem que o filmava. Ele tentou afastar o equipamento e falou para o homem "circular". O homem então perguntou a Ciro porque estava sendo agredido, e ele negou a agressão.Um dos assessores de Ciro à época afirmou que tentaram transformar a agressão de um popular na agressão do secretário que não aconteceu e chamou o caso de ação.

Xingamento e empurrão em jornalista
Em 2018, quando disputou a eleição ao Planalto, Ciro xingou e deu um empurrão leve em um jornalista que o questionou durante uma entrevista em Boa Vista. O profissional, que prestava serviços para o candidato ao Senado Chico Rodrigues, perguntou a Ciro se ele reafirmava o que disse "sobre brasileiros que fizeram aquela manifestação na fronteira, que [ele] chamou os brasileiros de canalhas, desumanos e grosseiros". Irritado, Ciro o xingou, deu um leve empurrão no jornalista e depois mandou tirá-lo do local e prendê-lo, dizendo que ele é "do Romero Jucá".

Discussão com opositores
Ciro xingou opositores durante comício em 2006. Na época, ele era candidato a deputado federal pelo PSB. A discussão foi motivada porque o político estava irritado com ataques do tucano Lúcio Alcântara. "Eu me chamo Ciro Gomes. Vou responder e vou responder do meu jeito, porque o governante que hoje está no Ceará [Lúcio Alcântara] só tem força para comprar consciências, para distribuir dinheiro para politiqueiro filho da puta", disse no palanque.

Briga com ouvinte
Em 2002, quando disputou o Palácio do Planalto, Ciro (então no PPS) considerou atravessada a pergunta de um ouvinte em programa de rádio e o chamou de "burro". À época, em outro evento de campanha, xingou um fotógrafo de "babaca". Na disputa, o candidato, que chegou a ocupar o segundo lugar, estagnou nas pesquisas. Ciro terminou em quarto lugar, depois de Lula (PT), José Serra (PSDB) e Anthony Garotinho (PSB).