Cheida esperava mais indecisos
O ex-prefeito Luiz Eduardo Cheida disse que esperava maior número de indecisos na pesquisa. Segundo ele, seria preciso um maior tempo para acomodar os eleitores do prefeito Antonio Belinati. ‘‘Quando se retira um nome leva um tempo para acomodar a situação’’, disse Cheida.
O peemedebista, que é pré-candidato pelo PMDB, também está cauteloso ao se declarar o escolhido pelo partido na disputa de outubro. As convenções ainda não foram realizadas e ele precisa, antes, ter seu nome avalizado. ‘‘Mas fico muito agradecido à população pela lembrança’’, disse Cheida. Em 98, ele não conseguiu se eleger para deputado federal.
Sobre o tom do pleito de outubro, Cheida comentou: ‘‘Essa questão sobre a moralidade em Londrina se resolva para que, no processo eleitoral, seja possível discutir propostas’’. O ex-prefeito prevê que a eleição será decidida em um turno. ‘‘Mesmo assim, a eleição será apaixonada, plebiscitária, e eu não acredito que o atual prefeito deixe de fazer campanha. Ou como candidato ou, no mínimo, apoiando alguém.’’
Último colocado na pesquisa, o presidente do diretório municipal do PFL e presidente da Companhia de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Farage Kouri, disse que o partido ainda espera ter o prefeito Antonio Belinati como candidato. Ele justificou seu fraco desempenho na pesquisa (0,8%) dizendo que não é candidato e os outros nomes já estão na carreira política ou passaram por ela.
Kouri afirmou que o partido não está disposto a perder o comando da segunda cidade do Estado e a terceira do Sul do País. ‘‘Vamos articular para brigar e vencer o próximo pleito, seja qual for o nome. Se o Belinati não se candidatar, vamos ver quem reúne as melhores condições’’, disse o presidente do PFL de Londrina. (P.Z.)