Curitiba - O candidato ao governo pelo PSDB, Beto Richa, considerou equivocada a decisão do promotor Vaclir Natalino da Silva de pedir seu julgamento por abuso de poder econômico baseado no inquérito policial realizado pela Polícia Federal. ''Meu nome não aparece em nenhum momento nas investigações. Nem tive participação na prestação de contas'', defende-se.
Já o advogado de Cassio Taniguchi e professor universitário, Luiz Alberto Machado, acredita que a nova medida judicial movida contra o prefeito de Curitiba e seu vice não terá efeito. Segundo ele, o pedido do promotor Valclir Natalino da Silva para que se julgue Cassio e Beto, por abuso do poder econômico, está repleto de falhas.
''Primeiro, se ele já havia pedido para arquivar a ação, não pode pedir para desarquivar sem ser autorizado pelo juiz. E, por ter foro privilegiado, o prefeito só pode ser julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral, e não pelo juiz da 1 Zona Eleitoral. Esse promotor me parece meio burrinho. Se fosse meu aluno eu reprovava'', declarou
Machado acredita que o Ministério Público anda se excedendo em suas denúncias. ''Tem muita gente querendo só aparecer. É só ver o caso desse promotor que tacou fogo em um processo contra ele (leia mais nessa página). Imagina se o prefeito resolve sair incendiando os processos contra ele?'', comentou Machado. (R.S.)